Editorial

Um amigo muito estimado tem uma “FlorBela” , a poetisa, sentada à janela do mundo. A peça é de Pedro Fazenda e hoje permite à poetisa, a partir da Quinta de Santa Rita, um olhar eterno sobre o lado este da cidade de Évora. Todavia ela nem sempre esteve ali. Conheci-a na cidade, no Pátio de S. Miguel , quase debruçada sobre o velho Colégio Espírito Santo (actual “centro” da Universidade de Évora) e com um horizonte que dos “coutos “ orientais da cidade se prolongava, nos dias verdadeiramente transparentes , até Évora-Monte . Mas as coisas da vida são como se fazem. Depois de um par de anos vendo o mundo a partir da cidade , e de mais alguns por outras andanças e paragens, Florbela sentou-se definitivamente para observar a cidade. E lá a encontrará nos anos vindouros quem a souber procurar. À janela, de onde a poetisa gostava de apreciar se não o Mundo, pelo menos o Mar (“Da Minha Janela”, 1923).

À janela do mundo me coloco também para observar e comentar as múltiplas cidades que me interessam, os seus actores e instituições. Sem uma agenda definida. Pelo simples prazer de dar palavras a ideias quando tal me apetecer. Um exercício de liberdade e cidadania.

DiáriodeumaCatedraaJanela é um blog de autor, um espaço de opinião aberto a todas as dimensões que se inscrevem na minha identidade . A de um autor com experiência e memória de mais de meio século partilhadas entre África e Europa, Casado (há quase 30 anos), Pai (de três filhos), Livre Pensador, Cidadão (Português e Europeu) , Professor (Catedrático) e Historiador . O Diário passará por tudo isto, mas com o carácter de “conta-corrente”, só mesmo a vida académica, que no momento em que este editorial foi escrito de(le)itava-se em mais uma falsas férias.

Não me coloco ao abrigo de uma atalaia. Pretendo também ser observado, expondo o meu dia a dia profissional. É uma forma de ajudar a superar a miserável (manipulação da ) ignorância do “povo” e proporcionar a possibilidade de contrapôr experiências à retórica e oportunismo mediáticos de muitos observadores e políticos pouco criteriosos. Os cidadãos podem conhecer de perto o que nós (professores universitários com carreira universitária) fazemos pelo país, o modo como o fazemos e o que pensamos sobre o modo como podemos fazer ainda mais e melhor.

A começar a 1 de Setembro. Não por ser o dia dedicado pela Igreja Católica à bela “Santa Beatriz da Silva Menezes, Virgem “ (1490-c 1550). Não por constituir efeméride da invasão da Polónia pela Alemanha (1939), da Conferência de Belgrado (1961) ou da tomada do poder por Muammar al-Qaddafi (1969). Não também pelo comemorativo propósito dos dias do Caixeiro Viajante ou do Professor de Educação Física. Nem sequer por marcar o nascimento de António Lobo Antunes (1942), o autor das extraordinárias “D´este viver aqui neste papel descripto. Cartas da Guerra” (1971-1972) , cuja edição as filhas organizaram (2005) , ou de Allen Weinstein (1937), prestigiado historiador americano e actual “Archivist of the United States “. Nada disso. Também não é por corresponder ao 9802º dia da minha actividade como professor universitário, cujo início data de 30 de Outubro de 1980, quatro meses após a conclusão da licenciatura e uma disputa em concurso público limpinho. Apenas porque me fica mais em conta.

Vamos lá tentar fazer disto um mundo aberto.

Burgau, 15 de Agosto de 2007
Helder Adegar Fonseca (HAF)

terça-feira, outubro 1

122223º a 12345º Dias

1 outubro de 2013 a 31 de Janeiro de 2015

Silêncio. Total.
HAF

12192º a 12222º Dias


1 a 30 de Setembro.

1. Mestrado em Estudos Históricos Europeus e Africanos (UÉ e IICT) : elaboração do novo programa de Mestrado
2. European School for Training in Economic and Social History  (Ester Network): selecção de candidatos para o RDC (Verona)
3.  Mestrado Estudos Históricos Europeus  e Programa de Doutoramento em História Contemporânea, recrutaram o suficiente para funcionar.  Alguns candidatos  desistiram depois de saberem o resultado da colocação dos professores no ensino não universitário. O país começa a ficar «teso» até para estudar.
4. A colocação dos alunos no 1º Ano do Ensino Superior. Já tinha havido uma redução substancial das vagas; agora ocorreu uma quebra substancial nas colocações, nas Universidades mas com especialmente incidência no Ensino Politécnico : no Alentejo foi  na primeira e nos segundos. Na verdade, embora possa ser politicamente controverso,  nesta região, a viver «separadamente»  algo está a mais:  a Universidade ou os Politécnicos.
3. NICPRI.UE, o fim de uma ilusão numa fusão ? Nascerá uma outra coisa ?  Ficarei nela ?  Para quê? Vamos ver. 
4. FCT. Painel de avaliação de História (coordenação)
 
5. GREVE NO ENSINO SUPERIOR EM ANGOLA: O mês fecha com uma prolongada (vai na segunda semana) greve (histórica) dos  professores das Universidades públicas de Angola.  Uma «classe profissional» completamente desprestigiada, sobre a qual pesam graves acusações  de más práticas académicas e mesmo de corrupção, para sobrevivência. A adesão é grande (>75%?) e o governo quer saber se  é legal o sindicato que a convocou (SINPES, que reclama representar 5000 professores) .  « No caderno reivindicativo, entre outras questões de ordem social e que têm a ver com pagamento de subsídios, o SINPES reclama essencialmente aumentos salariais, que tem como proposta para o docente titular um salário base mensal de 1,5 milhões Kz contra os actuais 357 mil Kz.» (JA)
****
6. Já o país arrasta-se num trajecto errático, na condução, mas determinado, no destino destrutivo. A narrativa dos nossos artistas políticos: os mercados, os portugueses e o Tribunal Constitucional não perceberem a bondade da  governação  em curso , e  lixam-nos.  Entretanto, sob as imaginárias sucessivas vagas de recuperação económica ( é desta que estamos a crescer !!!!) alastra  um avassalador empobrecimento ,  como uma maré do Crescente .... povo reage? Talvez. Para já fica a «coça monumental» nas autárquicas.

quinta-feira, agosto 1

12160º a a 12191º Dias

1 a 31 de Agosto 2013
 
1.Na TT (até 7-08) Campos de Treino (MLs Angola)
2.  Correspondência do Angola Comite - Komitee Suidelijk 1961-67
3. Teses (leituras): Narciso Felix (formação do Distrito da Huila); Valéria Leite (reformas educativas em Angola pós-colonial) . projectos de tese.
4. Referee : AS e H-RFLUP.
5. Leituras
Alexandra Marques: Segredos da Descolonização de Angola. Lisboa, D. Quixote, 2013. Tem um falso subtítulo de capa - «Toda a verdade sobre o maior tabu da presença portuguesa em África» - inapropriado e inútil, nem todas as regras académicas estão devidamente acauteladas (uso de consecutivas citações cuja localização não é fácil  apurar), mas é um livro importante para conhecer a transição colonial em Angola, assinado pela autora de “Experiência e Trauma na Colonização Portuguesa”.

General Gonçalves Ribeiro: A vertigem da Descolonização. Da Agonia do Êxodo à Cidadania Plena. Lisboa, Editorial Inquérito, 1999 . Um livro útil , testemunhal. Uma gralha chata no título de capa (exôdo?)

Aniceto Afonso e Carlos de Matos Gomes: Alcora. O Acordo Secreto do Colonialismo. Portugal, África do Sul e Rodésia na última faze da guerra colonial, Lisboa, Divina Comédia Editores, 2013.  Um livro interessante, escrito por militares, um deles também historiador profissional. Um contributo relevante mas uma narrativa enfraquecida por algumas lacunas, pelas inúmeras «citações» não referenciadas e acima de tudo pela ilusão de que os documentos falam por si.
 
6. Notas soltas….
 O  meu jovem amigo João Maria, que fez 6 anos a 8 de agosto  (sempre em Burgau) -que também era o dia de aniversário do Comandante Surucucu – vai ingressar no ensino básico para uma carreira escolar que, no seu mundo aventureiro, ele imagina conduzi-lo ao ofício de «bombeiro». Nem a tragédia dos verões portugueses , matam estas pequenas grandes fantasias infantis.
****
Artur Cruzeiro Seixas (Público, História de Uma Vida , História do País (2), por Susana Moreira Marques, 6 de Agosto)
****
Angola / Lunda Norte: a pobreza em cima dos diamantes ( Ver Público, 6 de Agosto), um retrogresso em relação ao tempo colonial. Em tempos constou nos meios angolanos que a província foi «retirada» das estatísticas nacionais…..
****
Urbano Tavares Rodrigues (1923-Agosto 2013) , o autor de Bastardos ao Sol (1959), apagou-se do mundo mas ficou nas palavras
****
Burgau, a praia algarvia ideal «para seniores» (Visão) ou o «paraíso escondido» da jornalista do I. Não é necessário recorrer  à nostálgica  imagem  dos pescadores que regressam da faina ao final da tarde, como se estas lides fossem conduzida pelo ciclo do dia e não do das marés…. É real a “movida”  protagonizada pela Mónica (Prateleira, o meu «escritório» )  a partir do verão de 2012.
****
«O Informador» (Crónica de António Lobo Antunes, Visão , 15 a 21-08)
****
O País da Batota: os produtos «SWAPS»  e o mundo do Citigroup; a limitação dos mandatos autárquicos ( ou o exemplo da batota competente);  a manipulação estatística da evolução dos salários portugueses  (o regresso à velha «estadística»);
****
O País tradicional e ignorante: o alargamento de 35 para 40 horas de horário de trabalho da função pública. , com o argumento de igualizar com o sector privado Por um lado,  sabe-se que no sector privado português as 40 horas de trabalho são o limite máximo (num arco que varia entre as 35-40 h) e 37 são o número médio de horas de trabalho semanal. Por outro lado,  é sabido que o aumento do horário de trabalho não tem incidência na produtividade relativa mas apenas na bruta (apenas baixa os custos de trabalho apenas mas tem um efeito psicológico negativo, etc…) .  A nossa direita , sempre com pose moderna, é , todavia de um liberalismo retrogrado: foca-se no input não no output (clássico) . Se pudesse regressava a um  pais de pobres  com trabalho de sol a sol. Repugnante.
****
A Europa Alemã: a Der Spiegel mostrou que a Alemanha lucrou uma pipa de massa com a crise da dívida na Europa e perdeu uns amendoins a concretizar a solidariedade europeia. E o banquete germânico prolongar-se-á pela menos até 2014…
****
Egipto: a democracia de sangue ….
****
Economia Politica da Educação (Portugal) : «Os alunos do ensino básico custam menos dinheiro aos contribuintes quando frequentam as escolas públicas do que quando têm aulas em estabelecimento de ensino privado com contrato de associação »   mas pelos vistos isso mudará a partir de 2014, com a redução expressiva dos custos no privado. Será (Publico, 9 de Agosto)  . Em breve voltaremos  a ter que reconstruir a Escola Pública em Portugal, a única que foi capaz de democratizar o acesso ao ensino formal no país. A história educativa de Marta Oliveira (»Acabo por não gostar assim tanto do meu país») mostra como é possível mudar de lugar social quando há oportunidades (e vontade) (Público, 20 de Agosto). Os alunos são cada vez menos mas a taxa de abandono não abranda….
****
Viver Pobre, a perene visão da Direita portuguesa: uma sociedade de pobres…. alimentados pela  misericordiosa e agradecida «sopa» das instituições privadas de solidariedade social e devoluções da emigração em massa.  O embuste retórico: ajustar o país (a população) aos recursos….
****
Como proteger o ensino superior privado?  Corte de 15 milhões no orçamento das universidades para 2014: quando se porá a questão de encerrar algumas universidades públicas, que se afundarão num mercado interno tornado diminuto?
Limitar ou proibir o aumento as receitas próprias nas Universidades Públicas (acho esta ideia demasiado negativa, mesmo para a direita)
****
A Direita política portuguesa e o financiamento da Herança Cultural: forçar a Cinemateca a aumentar as receitas próprias? O mesmo se aplicará ao ANTT e às Biblioteca Nacional  e aos Arquivos Históricos públicos.  A dimensão troglodita da direita portuguesa .
****
“São Tomé e Príncipe: Viagem aos trópicos com o último naturalista”  (Público, 18 de Agosto)
****
Público, Série (de textos) sobre «Racismo e Colonialismo» : «O Lugar de Eusébio» ( Nuno Domingos, 21-08); «Uma viagem ao Brasil que serviu para promover leis segregacionistas nos EUA », Francisco Bethencourt, 23-08); «|”Rosita” e o império como objecto de desejo», 25-08; «Limpeza de sangue» , Francisco Bettencourt, 26-08;  «A ´Civilização` pelo trabalho» , de Miguel Bandeira jerónimo , 28-8.
****
 A  noite submersa  da cidade de Évora. (Público, 22 Agosto)
****
Fotobiografia de Álvaro Cunhal, das edições Avante: a « história pessoal de um homem extraordinário », como a ela se referiu o actual  Secretário Geral do PCP
****
Marquês de Pombal, «O Homem que resgatou Portugal» ou o episódico «sebastião» ( Visão, 8-14 Agosto)
****
«O Monopólio da Bondade» (João Miguel Tavares, Público, 29-08). É um texto interessante de jornalista João Miguel Tavares , que, a propósito dos obituários dedicados a António Borges , critica a perspectiva moralista da « esquerda Tadeu e Baptista-Bastos» - diabolizante (bom vs mau), a favor da visão política (debate entre adversários com convicções distintas do certo e do errado) .  Tem toda a razão. Mas não basta dizer assim. É necessário acrescentar, primeiro, que não é apenas uma parte da esquerda política que «demoniza» os adversários , isso ocorre em também na direita politica.  Em segundo lugar, isso não acontece apenas na política, mas na generalidade da vida social (como no desporto) e mesmo no quotidiano de instituições que deveriam ser exemplo de uma cultura democrática baseada no respeito da crítica e da diferença: as universidades, p.ex.  JM Tavares podia pois escrever , «apesar de o 25 de abril já ter ocorrido há quase 40 anos» culturalmente há fracções relevantes das nossas elites que são intolerantes, e desse ponto de vista, tradicionais. Voltando ao início, António Borges, um liberal radical, certamente terá sido, mas vi-o também sempre como um académico e cidadão,  convictamente adversário do modelo social europeu e temerário na expressão das suas convicções. Ora, a tal frontalidade (criticismo) o mainstream (direitista, centrista ou esquerdista) do país não está habituado, não gosta, deprecia e diaboliza. Ponto final.
****
Uma bora notícia. A Universidade de Évora assinará protocolo com EMBRAER  . Será no próximo dia 2 de Setembro .

****

 

domingo, julho 7

12129º a 12159º Dias

1 a 31 de Julho

Sabática e .....

1. O País da Batota
Depois do Merkelismo-CoelhoPortismo, Portugal e grande parte da União Europeia necessitarão de algo similar ao Plano Marshall (Londres, 2 de Julho).
A "4ª feira negra" : uma garotice, como se verá (5 de Julho)

2. «Atrair alunos estrangeiros pode render mais que exportar vinho»
"O número de alunos estrangeiros a estudar em Portugal tem aumentado nos últimos anos e se a tendência se mantiver as receitas em propinas, alojamento, transporte e refeições podem ultrapassar o valor das exportações de vinho." (Expresso, 6 de julho)

 3. Júris Académicos
Rute Pardal: Práticas de caridade e assistência em Évora (1650-1750) (Dout. Hist.) (4 Julh0, reunião preliminar)
Georgete Andraz: Determinantes da  Dinâmica Empresarial: o caso da Industria Transformadora Portuguesa (Dout. Gestão, 8 Julho, discussão)
António Quaresma: O Rio Mira no sistema portuário do Litoral Alentejano  (1851-1918) (Dout. Hist., 9 Julho, discussão)


4. Teses académicas
Graça Mira:
Vanda Martins:


[....]

domingo, junho 30

12098º a 12128º Dia

1 a 30 de Junho
Sabática e...





sexta-feira, maio 31

12067º a 12097 Dia

2 a 31 de Maio de 2013
Sabática


quarta-feira, maio 1

12066º Dia

1 de maio de 2013
Investigação  : Arquivo Lúcio Lara (Luanda)
HAF

12043º a 12065º Dia

8 a 30 de Abril de 2013
Sabática
NICPRI.UÉ : fim a cinco anos de direcção
Investigação  : ADN; Arquivo Lúcio Lara (Luanda) : Teses ; paper «The  Liberation Struggles  and The Ideas of “Southern Africa” (1961-1974) (para Southern African Historical Society, june 2013)
Júris , arguições (teses) e pareceres (Concursos)
Orientação de teses MEHE/ PD História Contemporânea
DH.UÉ-Distribuição Serviço Docente GHC
HAF

domingo, abril 7

12036º a 12042º Dia

1 a 7 de Abril  de 2013
I
Arquivo ADN- MLs e Pan-Africanismo (Rádios , África Austral)
Tutorias (teses, Doutoramento e Mestrado)
NICPRI.UE: que fazer?
Concurso (Cátedra História, UÉ) ( sempre com peculiaridades)
Workshop Vida Cultural em Cidades de Província: Espaço Público, Sociabilidades e Representações (1840-1926) (Universidade de Évora) (paper)
II
Enquanto se trabalha com afinco, o país da «batota», na sua versão PSD, desmorona-se , vítima da incompetência política e técnica para cumprir o seu programa neoliberal ( transformado numa ultra-selvajaria , que inutilmente provocou um retrogresso de décadas)  - inacreditável como de novo quiseram governar sem Constituição ou para além dela -  e do puro bandoleirismo institucional ( O caso do Dr. Grass, Relações-Internacionalador,  que esta semana sai de cena como Sr. Graze).  Confrange ainda, a inutilidade presidencial (que laços vos amarram !!!!!)
Com isto assim, o que espero da arena política: um primeiro ministro licenciado por uma Universidade Pública. No ponto em que a coisa está .... this, by itself, improves things.
Depois do da Moderna e da Independente, ficamos a conhecer o quilate da Universidade Lusófona.  Já não vale a pena manter a pergunta: quem são e o que valem eles? Já sabemos a resposta-regra  ( o que salva, como sempre, as excepções, individuais)
III
BAUMAN, Zygmunt: Europa Liquida. Entrevista de Guilianao Battiston, Nova Delphi, 2013
VIEIRA, Joaquim: Mário Soares. Uma Vida. A Esfera dos Livros, 2013
 HAF


12018 a 12035 º Dia

14 a 31 de Março

Arquivo ADN- MLs e  Pan-Africanismo (Rádios , África Austral)
Arquivo IARN
Seminários (Doutoramento)
Tutorias e leitura de teses (mestrado e doutoramento)
Três Júris de Doutoramento e Concurso Prof/Inv. Auxiliar
Mestrado Estudos Históricos Europeus e Africanos ( Protocolos com IICT)
NICPRI.UÉ
HAF

domingo, março 31

12018 a 12035 º Dia

14 a 31 de Março

quarta-feira, março 13

12008 a 12017 º Dia

04 a 13 de Março 2013
Tutoria intensiva de Teses (revisão):
História do Cineclubismo em Portugal . o caso de Setúbal, 1956-1962 ( VS) (Mestrado EHE)
João Baptista de Castro Vieira Lopes. Biografia Política 1932- 2012 (CA, Mestrado HAA, ISCED-UAN)
História da Ocupação Colonial: Expropriação de terras e organização agrária no Dombe Grande (1847-1928) (JRBF, Mestrado HAA, ISCED-UAN)
História da Ocupação Colonial: o caso do Planalto do Bié (1890-1961) ( GAU, Mestrado HAA, ISCED-UAN)
Reunião de Júris: 6, 8 e 13 de março
ADN: Leitura de Documentos («Rádios» dos Movimentos de Libertação)
Comité Angola (Amsterdam): Leitura de Documentos (1961-62)
Conclusão do programa do seminário: O Alentejo na Historiografia Europeia. Perspectivas Comparativas e Transnacionais (Seminário NICPRI.UE, 7 de Junho de 2013)
 HAF

12007 º Dia

03 de Março 2013
Leitura de teses
HAF

sexta-feira, março 1

12006º Dia

02 de Março 2013

Com a maré.....a GRANDOLAR
HAF

12005º Dia

01 de Março 2013
Tutoria (teses)
PIDE/DGS: Rádio Brazzaville
HAF

quinta-feira, fevereiro 28

12001 a 12004 º Dia

25 a 28 de Fevereiro de 2013
JURI ICS (Investigador Auxiliar)
ANTT/ PIDE-DGS :Rádios Brazzaville, Kinshasa e Tanzânia
Diários de um guerrilheiro (BAVIL)
Tutoria: Teses várias
HAF

domingo, fevereiro 24

12000 º Dia

24 de Fevereiro de 2013
I
Dossier Prof. Auxiliar (ICS) : 23
II O País da Batota: os «sem-currículo» e o baixo nível de institucionalização
No ramo , ninguém deveria desconhecer  que no seio das ciências sociais nórdicas  uma das características peculiares (no contexto da «Europa» e das «sociedades modernas» dos  países do «arco latino» ou da «Europa do sul» é o seu baixo nível de institucionalização , o que, no essencial , significa a existência ou de uma notório desfasamento entre as leis e as práticas institucionais, ou de uma leis manhosas , ou seja, susceptíveis de múltiplas e confusas interpretações, que exigem permanentes aclarações ou as tornam de facto ineficientes.  Em suma, o terreno ideal (indispensável) para se movimentar o «país da batota».
Isto vem sempre a propósito de qualquer coisa, porque todos os dias há uma coisa que a ela podemos associar.  Desta vez , temos duas histórias.
A primeira é a história caricata do impedimento legal de mandatos sucessivos ( dinossaurismo)  nas câmaras municipais. Aproximando-se novas eleições, lá para o outono, muito se escreveu nas últimas semana sobre os a dança dos candidatos e dos putativos candidatos legalmente impossibilitados: e é o caso do artista de Gaia que não pode satisfazer a vontade de ser o maestro do Porto; do futebolista de Sintra que não pode almejar (para já)   mudar-se para a região da Luz, etc., etc. e tudo isto porque, branco no preto (ou preto no branco?),   a lei dos mandatos - Lei n.º 46/2005, de 29 de Agosto -  estabelece limites à renovação sucessiva de mandatos dos presidentes dos órgãos executivos das autarquias. Discussão completamente inútil. Afinal a dita lei tem um erro de redação e aplica-se aos «presidentes de câmara» e não aos «presidentes da Câmara». Ora, temos dos segundos, não temos dos primeiros. Voilá, o país dos «sem-currículo» no seu melhor.
A segunda vem do mundo académico e suscita outra tipo de preocupação: a «des-autonomia» dos estudantes. Na UÉ, os «directores de curso» passaram a ter funções equivalentes aos «directores de turma» do ensino não superior.  A  voluntária débil institucionalização das Comissões de Curso, abre a via a soluções do arco da velha.
III O «regresso» da Europa Alemã
Ulrich BECK (2013) : A Europa Alemã. De Maquiavel a «Merkievel». Estratégias de Poder na Crise do Euro. Lisboa, Edições 70  (edição Alemã . Das Deutsche Europa. Neue Machtlandschaften im Zeichen der Krise, SuhrKamp, 2012

 

Também pode começar por  ler:
BECK Ulrich e GRANDE Edgar (2010): "Varieties of second modernity: extra-European and European experiences and perspectives" British Journal of Sociology, V. 61-3, pp. 406-638.
HAF

11994º a 11999º Dia

18 a 23  de Fevereiro de 2013
I
Arquivo «Comité Africa»
Arquivo Ministério do Ultramar (inventário)
Relatório Henrique Galvão (1947)
Seminário «Alentejo e a Historiografia Europeia. Perspectivas comparadas e transnacionais» ( Org.) (31 de Maio)
Tutoria  e acompanhamento de Doutorandos e mestrandos
Leitura e Revisão de Teses : Familia e Sociedade no Algarve de Oitocentos;  Cineclubismo; Gente transnacional / os funcionários  da Sociedade das Nações.
Concurso Investigador Auxiliar (Leitura de Documentos)
Planeamento do Seminário Transdisciplicar (Doutoramento)  
II. A "Exposição" de Deputado Henrique Galvão (1947)
«Exposição  de Deputado Henrique Galvão, à comissão de Colónias da Assembleia Nacional, em janeiro de  1947 » (vulgo  Relatório Henrique Galvão ). : Henrique Galvão foi um homem da Ditadura e do Estado Novo, governador do distrito da Huila (4/02 a 26/06/1929) e foi, entre 1941-1949, Inspector superior da Administração Colonial. Em Janeiro de 1961 é o líder do assalto ao Santa Maria. 
A referida exposição abre assim as «Considerações Prévias»: «1.A questão indígena apresenta-se ao meu espírito procedendo estudos demorados e directos em que prossigo há anos, pelo menos , quinze anis, como a mais grave e delicada das quantas questões se agitam, actualmente, nas  colónias portuguesas. E tal como se apresenta e tentarei, resumidamente apresentar à Comissão de Colónias, quer como questão política, quer como questão económica, situa-se entre os dois pólos do seguinte dilema: ou a resolvemos  com a decisão e no ritmo vivo de realizações, que correspondem ao perigosíssimo passo em que se encontra -  ou falharemos tragicamente, ainda no decorrer deste século, e depois de cinco séculos de Glória, a nossa missão de colonizadores modernos em África.   […]
2- Pretendo, porque se me afigura indispensável, dizer toda a verdade tal como a sinto e tenho auscultado, nem sempre confortavelmente. Para a dizer não me mover nenhum ressentimento pessoal, mesmo onde qualquer sensibilidade mais melindrosa o queira encontrar – nem me  tolhe o receio de ser incompreendido, malquisto e apontado como perturbador de arripiadas vaidades. […] »
Um documento que ainda hoje não está integralmente editado e que já devíamos ter popularizado e  tê-lo como referência no ensino da  situação colonial à saída da 2º Guerra Mundial.
III. EUA
Da European University Association chegou o
Portuguese Higher Edcuation: a View from the outside , EUA,  2013
IV: Os «Sem Currículo»
Apenas para surpresa  dos tipos das ilhas Comores,  o 19º Governo constitucional  português,  o que nos tem dirigido nos últimos 20 meses, voltou a enganar-se nas contas, todas e em particular nas essenciais ( as do Estado). É a 7ª ou 8ª vez. Ainda pensei que era para nos informar de que o engano era a nosso favor . Não é. E tais enganos tem consequências (responsabilidades) políticas? Népia. Olimpicamente, os «nabos» vão insistir porque se acham, (todos os nabos acham-se sempre, capazes de inverter a situação.  É sabido que isso nunca aconteceu.  Portanto, os dias que se aproximam serão os de um governo a correr à frente do «Grândola Vila Morena».  Veremos como acaba esta história de «ultras» liberais-maratonistas.
HAF


11993 º Dia

11993 º Dia
17 de Fevereiro de 2013
Dia Branco
HAF

sábado, fevereiro 16

11992 º Dia

16 de Fevereiro de 2013
09,30-12,30: ANTT- PIDE DGS/ Rádios  da «Linha da Frente»
15,00: Reunião da comissão organizadora do XXII Encontro dos ENCONTRO DOS "ALUNOS, AMIGOS, PROFESSORES DO COLÉGIO TERESIANO" (C.Caparica, Junho 2013)

O Povo ibérico redescobriu Grândola, uma "vila morena" que pode ser a "terra de fraternidade". Talvez já devam estar convencidos da importância de mudar os tempos.
HAF

sexta-feira, fevereiro 15

11991 º Dia

15 de Fevereiro de 2013
ANTT- PIDE DGS/ Rádios e Comité Angola
Carlos Pacheco.
Programa de conferências NICPRI.UE/IICT, Seminário África Austral e  Congresso Retornados (2014)
O que vai acontecer ao IICT? Ve-se fumo, haverá fogo, mas qual a extensão e propósito da «queimada»? Que seja um «mudança» para assegurar o passado no futuro.
HAF

11990 º Dia

14 de Fevereiro de 2013
ANTT- PIDE DGS/ Rádios e Comité Angola
HAF

11989 º Dia

13 de Fevereiro de 2013
Teses: Revisão de Revisão.
Seminário "Alentejo na Historiografia Europeia...."
Relatório FCT
HAF

11988 º Dia

12 de Fevereiro de 2013
Maré
Correspondência
H.Sapire and C.Saunders, eds., Southern African Liberation struggles. New local, regional and global perspectives (UCT Press, 2013).
HAF

11987 º Dia


11 de Fevereiro de 2013
Maré (Búzios)
Parecer IICT…. Para tempo indeterminado
H.Sapire and C.Saunders, eds., Southern African Liberation struggles. New loca, regional and global perspectives (UCT Press, 2013).
Pesca (Sargos)
HAF

11986 º Dia

10 de Fevereiro de 2013
Clara Carvalho e João de Pina Cabral (Org.): A persistência da História. Passado e Contemporaneidade em África, Lisboa, ICS, 2004
HAF

11985 º Dia

9 de Fevereiro de 2013
Referee.
H Sapire et C. Saunders (eds): Southern African Liberation Struggles, 2012
HAF

11984 º Dia

8 de Fevereiro de 2013
Discussão de tese de Mestrado EHE
10,30. Rui Comprido Graça : As Migrações Europeias:O Exemplo do Povoamento Açoriano do Alentejo em finais do século XVIII (orientação HAF)
15,00: Sessão Doutoramento
Burgau
HAF

11983 º Dia

7 de Fevereiro de 2013
Leitura de teses
Tutoria
HAF

11982 º Dia

6 de Fevereiro de 2013
Leitura de teses
HAF

11981 º Dia

5 de Fevereiro de 2013
ANTT
HAF

11980 º Dia

4 de Fevereiro de 2013
 I
10,00-13,00: Júri, Concurso ISCTE
12,30-15,00: Reunião IICT. Mestrado estudos Históricos Europeus e Africanos em marcha.
17,00-19.00: FLUL, Tutoria /tese
II
Angola
Feriado nacional.
HAF

11979 º Dia

3 de Fevereiro de 2013
Dia Branco: Reconstruções
HAF

11978º Dia

2 de Fevereiro de 2013
Archief Angola Comité. Correspondência, 1961
Documentos de Concurso
Parecer (investigador Auxiliar)
HAF

sexta-feira, fevereiro 1

11977º Dia

01 de Fevereiro de 2013
Archief Angola Comite. Correspondencia, 1961
O Tocoismo e a Administração Colonial
Sessão Desenho da Tese (Mestrado EHE e Doutoramento HC)
HAF

11976º Dia

31 de Janeiro de 2013
Orçamento NICPRI.UE
O Tocoísmo e a Administração Colonial : leitura de documentos
HAF

quarta-feira, janeiro 30

11975º Dia

30 de Janeiro de 2013
I
O «último despacho» como Presidente do CC ECS EU e mensagens de despedida
O Tocoísmo visto através da PIDE/DGS. Leitura de documentos
Avaliação docente
Concurso ISCTE
II
Um dia especial…
Passo a 59 no dia em que deixo a Presidência do CC da Escola de Ciências Sociais. Os novos titulares deste cargo assim como da direcção da Escola tomaram hoje posse. As espectativas são sempre positivas. Para mim inicia-se um ano de sabática: o regresso inteiro à investigação.
HAF

11974º Dia

29 de Janeiro de 2013
O Tocoísmo visto através da PIDE/DGS DGS (1949-1974). Leitura de documentos
HAF

11973º Dia

28 de Janeiro de 2013
I
O Tocoísmo visto através da PIDE/DGS (1949-1974). Leitura de documentos
II
Uma tarde em Burgau.
HAF

domingo, janeiro 27

11972º Dia

27 de Janeiro de 2013
I
Correcção de provas e trabalhos (HIE, MRIEE, UMA-Luanda): o fim, finalmente, de uma história que não devia ter acontecido. Na verdade , em muitas circunstâncias a prática do  ensino superior internacional ou se esconde ou nela se coloca um fim
Relatório de  auto-avaliação docente (UÉ 2012)
II
Acabo de ler a notícia da morte de Jaime Neves (1936-2013), herói e vilão, nas narrativas políticas da nossa praça. Há dias vi uma «biografia» nos escaparates ....
HAF

11971º Dia

26 de Janeiro de 2013
Correcção de provas e trabalhos (HIE, MRIEE, UMA-Luanda)
O Django «negro» [Django Unchained (2012)] - o outro era branco (Franco Nero) e a sua saga  nos Spaghetti Westerns começou em 1966). O de ontem é acima de tudo [ «western»; «spaghetti western» , «Revisionist Western» etc, etc]  uma grande realização e uma «contra-narrativa» situada nas vésperas da Guerra Civil e da abolição da Escravatura nos EUA. Violento, as imperdível.
HAF

11970º Dia

25 de Janeiro de 2013
09.30-11,30: Discussão de tese mestrado:
AJ Queimado: Portugal, Guerra Colonial e Ação Psicológica (1965 – 1973): Perspetiva Histórica
12,00-13,00: Eleição do Conselho de Departamento de História e do Director do referido Departamento .  O «inefável» DH. A única boa notícia foi a eleição do Francisco Vaz para Director do Departamento para o próximo biénio. 
15,00-17,00: Sessão Desenho de Tese (MEHE e DHC)
Burgau
HAF

11969º Dia

24 de Janeiro de 2013
Despacho CC ECS
Relatórios NICPRI
Tutoria /Fernando Helder Macaia , Tocoísmo e luta anti-colonial (ISCED)  (Dossiers do Arquivo da PIDE/DGS).
Paper, Conferência SAHS 2013 (GABORONE)
HAF

11968º Dia

23 de Janeiro de 2013
Tutoria: Fernando Helder Macaia , Tocoísmo e luta anti-colonial (ISCED, tese mestrado)
NICPRI.UE: orçamento, relatórios, etc
CCP-IIFA: eleições
HAF

11967º Dia

22 de Janeiro de 2013
09.00-11,00: Despacho CC ECS e NICPRI.UE
11.00-13,00: Discussão de tese de mestranda EHE:
D.Chaparro: A Emigração Clandestina na Europa nos anos 1960: o caso do Baixo Alentejo.
15,00-18,00: P. Júri de Doutoramento em Cªs de Educação
    D.M.M.A.F.: Aprendizagem e trabalho colaborativo numa plataforma online numa escola básica (…).
19.00 Tutoria: mestrando
HAF

segunda-feira, janeiro 21

11966º Dia

21 de Janeiro de 2013
Leitura de provas
15.00-17,00: Discussão de tese de mestrado em EHE:
E.M.A. Mira :O Alentejo e as Peregrinações Transnacionais no Século XX: 1926 e 1927 
HAF

11965º Dia

20 de Janeiro de 2013
I
Correspondência académica
Leitura de teses
II
Assassinato de Amilcar Cabral: 20 de Janeiro de 1973, em Conakri. Uma história incompleta.
A propósito da evocação deste dirigente do nacionalismo guineense e cabo-verdiano e numa fase de grande debate «nacional» sobre o seu perfil e o assassinato, recomendo o texto de  Abel Dfassi Amado  [«Os três Cabrais de hoje: leitura crítica» in FORCV PA NU FIKA MAS UNIDU, 20-01-2012] e as teses recentes do “historiador”  Mario Cissoko, que , entre 1966 e 1968, foi o «encarregado de arquivo morto do secretariado do PAIGC em Conacri […], também nesse período era o encarregado da biblioteca do partido, que se situava mesmo ao lado do gabinete de Amilcar cabral, ainda ajudava na tradução das publicações de propaganda do partido para o francês » e actualmente, prepara um livro que titulrá de «Dossiê secreto da luta de libertação nacional». Este “historiador» partilha de uma leitura muito crítica do fundador do PAIGC (CF. FORCV, 20 jan. 2013)

HAF

domingo, janeiro 20

11964º Dia

19 de Janeiro de 2013
I
Dia Branco.
II
«Depois do Adeus. O Fim. 18 de Julho de 1975
Estreia de uma “novela” centrada na experiência dos “retornados” da descolonização portuguesa em África. É  uma série da RTP I, com vários episódios.   Vi o de hoje espero ver os seguintes, como «retornado» ( a lugar nenhum) e como historiador.  Não e regressa a este tipo de passado. Vive-se com ele, em muitas dimensões. Gosto da plausibilidade que o episódio sugere.
HAF

11963º Dia

18 de Janeiro de 2013
10,00: Tutoria (presencial) / tese de mestrado (ISCED, Luanda): Biografia de um nacionalista angolano
11.00: Tutoria /tese de Doutoramento [Cinema e Censura , comparação de contextos]
15,00: Seminário de Desenho de tese
17,00 Tutoria / Tese de mestrado (experiências de Cineclubismo em Portugal)
HAF

11962º Dia

17 de Janeiro de 2013
I
Correspondência académica
Despacho do CC e NICPRI.UÉ
Tutoria:   Peregrinações alentejanas (1926-1927) ao Santuário de Lourdes (È-Mira)
II
A Reforma do Estado e  a «contra-democracia social de veludo» 
Os liberais radicais acham ter chegado a hora do acerto de contas com o devaneio «socialista» («estado social») dos portugueses, ou seja, o de, nas últimas três décadas, ter vivido à farta com o dinheiro de outros europeus.  Todos sabemos como isso aconteceu :  foi um «socialismo» para as elites. Na verdade Portugal manteve perto de 1/5 da população na situação de pobreza ou no seu  limiar e entre as elites políticas do mainstream e o mundo financeiro e empresarial  foi um banquete de trocas. Todos ganharam e muito.
Por isso, faz sentido  (em parte) o que hoje apareceu escrito na Visão: « Ninguém pode negar a necessidade de repensar o estado. Mas não assim, de modo inconsistente, irracional, contraditório e iníquo» ( José Gil ).  Concordo que é «contraditório e iníquo». Já  não me parece que o propósito seja irracional. Os nossos conservadores radicais, não conseguem imaginar (nunca o conseguiram) uma sociedade sem pobreza, e mesmo sem pobreza extrema.
Se nas «despesas» com a saúde (não há nada como uma sociedade de doentes em massa) o relatório do FMI «compara o incomparável» (I. Nery), e nas despesas da «Defesa» é pouco rigoroso, surpreendente é ainda o comentário de António Teodora sobre a  «Educação»:
«O relatório assenta no pressuposto de que o Estado é ineficiente e a iniciativa privada  eficiente. No caso da educação, falha a principal questão: as desigualdades do sistema de ensino.
No relatório, afirma-se que Portugal gasta muito em educação, mas segundo os dados disponíveis, desde 1851 até 1999 só durante dois anos o Estado gastou o equivalente á média da OCDE. O problema deste relatório é que o presente não tem passado. Ou seja, ignora o atraso educacional português e, a ser levado à prática, não permitirá atingir as metas da Europa 2020.
Os professores portugueses estão num patamar salarial acima da média europeia, mas, nos últimos anos, perderam quase 25% da sua remuneração. Quando fui líder sindical, havia um acordo tácito – uma carreira no ensino público servia para amortecer o desemprego jovem. Por isso, diminuir o número de professores será sempre uma questão política: mais professores, menos desemprego; menos professores, mais desemprego» (Visão, 17 de Janeiro, p. 29) .
 Uma coisa parece certa, em matéria de Educação e Ciência, vão aumentar a contribuição das Família e reduzir a despesa do Estado em todo o  ensino público. No ensino superior as propinas vão aumentar (20-30%?): tal via não resolverá nada , mas agravará a desigualdade de oportunidades entre os  nossos jovens e vai aumentar o fosso em relação a grande parte dos jovens europeus ( propinas mais elevadas, menos bolsas, etc., etc.) . Entretanto o «abandono escolar » no Ensino Superior progride, completamente fora de controle .
HAF