Editorial

Um amigo muito estimado tem uma “FlorBela” , a poetisa, sentada à janela do mundo. A peça é de Pedro Fazenda e hoje permite à poetisa, a partir da Quinta de Santa Rita, um olhar eterno sobre o lado este da cidade de Évora. Todavia ela nem sempre esteve ali. Conheci-a na cidade, no Pátio de S. Miguel , quase debruçada sobre o velho Colégio Espírito Santo (actual “centro” da Universidade de Évora) e com um horizonte que dos “coutos “ orientais da cidade se prolongava, nos dias verdadeiramente transparentes , até Évora-Monte . Mas as coisas da vida são como se fazem. Depois de um par de anos vendo o mundo a partir da cidade , e de mais alguns por outras andanças e paragens, Florbela sentou-se definitivamente para observar a cidade. E lá a encontrará nos anos vindouros quem a souber procurar. À janela, de onde a poetisa gostava de apreciar se não o Mundo, pelo menos o Mar (“Da Minha Janela”, 1923).

À janela do mundo me coloco também para observar e comentar as múltiplas cidades que me interessam, os seus actores e instituições. Sem uma agenda definida. Pelo simples prazer de dar palavras a ideias quando tal me apetecer. Um exercício de liberdade e cidadania.

DiáriodeumaCatedraaJanela é um blog de autor, um espaço de opinião aberto a todas as dimensões que se inscrevem na minha identidade . A de um autor com experiência e memória de mais de meio século partilhadas entre África e Europa, Casado (há quase 30 anos), Pai (de três filhos), Livre Pensador, Cidadão (Português e Europeu) , Professor (Catedrático) e Historiador . O Diário passará por tudo isto, mas com o carácter de “conta-corrente”, só mesmo a vida académica, que no momento em que este editorial foi escrito de(le)itava-se em mais uma falsas férias.

Não me coloco ao abrigo de uma atalaia. Pretendo também ser observado, expondo o meu dia a dia profissional. É uma forma de ajudar a superar a miserável (manipulação da ) ignorância do “povo” e proporcionar a possibilidade de contrapôr experiências à retórica e oportunismo mediáticos de muitos observadores e políticos pouco criteriosos. Os cidadãos podem conhecer de perto o que nós (professores universitários com carreira universitária) fazemos pelo país, o modo como o fazemos e o que pensamos sobre o modo como podemos fazer ainda mais e melhor.

A começar a 1 de Setembro. Não por ser o dia dedicado pela Igreja Católica à bela “Santa Beatriz da Silva Menezes, Virgem “ (1490-c 1550). Não por constituir efeméride da invasão da Polónia pela Alemanha (1939), da Conferência de Belgrado (1961) ou da tomada do poder por Muammar al-Qaddafi (1969). Não também pelo comemorativo propósito dos dias do Caixeiro Viajante ou do Professor de Educação Física. Nem sequer por marcar o nascimento de António Lobo Antunes (1942), o autor das extraordinárias “D´este viver aqui neste papel descripto. Cartas da Guerra” (1971-1972) , cuja edição as filhas organizaram (2005) , ou de Allen Weinstein (1937), prestigiado historiador americano e actual “Archivist of the United States “. Nada disso. Também não é por corresponder ao 9802º dia da minha actividade como professor universitário, cujo início data de 30 de Outubro de 1980, quatro meses após a conclusão da licenciatura e uma disputa em concurso público limpinho. Apenas porque me fica mais em conta.

Vamos lá tentar fazer disto um mundo aberto.

Burgau, 15 de Agosto de 2007
Helder Adegar Fonseca (HAF)

sábado, dezembro 31

11379-11380 º Dia

Dia 30 a 31 de Dezembro de 2011
I
Dias semi-Brancos… na Costa da Ericeira…..
II
Cf. Jornal «Actualidade» (Semanário, Nova Lisboa, 1933-1935)
III
O balanço do ano: No plano pessoal, rico em experiências; no plano familiar, interessante; no plano profissional, duro e frustrante, e ficam muitas pequenas coisas penduradas...; no plano da cidadania, um retrogresso generalizado; no plano institucional (Universidade), quase inútil.
HAF

11378º Dia

Dia 29 de Dezembro de 2011
I
Lisboa, ICS: reunião do Projecto European Historical Popultion Samples Network
II
MARQUES, Rafael: Diamantes de Sangue. Corrupção e tortura em Angola, Lisboa, Tinta da China, 2011
HAF

11377º Dia

Dia 28 de Dezembro de 2011
I
Leitura de teses
Projecto EHPS-NET: revisão de dados.
II
MARQUES, Rafael: Diamantes de Sangue. Corrupção e tortura em Angola, Lisboa, Tinta da China, 2011
HAF

11376º Dia

Dia 27 de Dezembro de 2011
I
Relatório ESTER.
II
MOREIRO, José Maria: Miguel Torga e Àfrica, Lisboa, Universitária Editora, 1996
XAVIER, Leonor: Raul Solnado. A Vida não se Perdeu, Lisboa, 2009
HAF

segunda-feira, dezembro 26

11375º Dia

Dia 26 de Dezembro de 2011
I
10,00-19,00: Relatório de Missão a Angola
II
No dia em que se ficou a saber que o Brasil superou o UK como potência económica , o Público inclui uma entrevista com Éric Toussaint, Presidente do Comité para a Anulação da Dívida do Terceiro Mundo ( CADTM - Comité pour l’annulation de la dette du Tiers Monde) fundado na Bélgica em 15 de Março de 1990) . Para este professor universitário, com formação de historiador e politólogo, a crise europeia « vai durar 10 ou 15 anos, porque o problema fundamental não é a dívida pública, mas sim os bancos europeus. E não estou a falar dos pequenos bancos portugueses ou gregos. O problema é que os grandes bancos – Deutsche Bank, BNP Paribas, Credit Agricole, Société Generale, Commerzbank, Intesa Sanpaolo, Santander, BBVA – estão à beira do precipício. Isso é muito pouco visível no discurso oficial. Só se fala da crise soberana, quando o problema é a crise privada dos bancos» e entende que face ao esperado agravamento da «crise da divida» países como Portugal devem empenhar-se não na «reestruturação da dívida» mas em entrar em ruptura com a Troika alegando estarmos perante uma «dívida ilegítma» [Ver mais Público online, 16-12-2011]
III
Dulce Braga: Sabor de Maboque. A magia africana. Lisboa, Dinalivro, 2011.
HAF

domingo, dezembro 25

11374º Dia

Dia 25 de Dezembro de 2011
I
Um dia de família.... que deu para descobrir uma cidade «deserta»
II
Dulce Braga: Sabor de Maboque. A magia africana. Lisboa, Dinalivro, 2011 (ed. brasileira, em 2010). A experiência de uma jovem de 17 anos, na fase da descolonização portuguesa em Angola, em território comum.

HAF

11373º Dia

Dia 24 de Dezembro de 2011
Depois do Relatório ESTER um dia branco, de embrulhos e outras coisas próprias da época.
HAF

sexta-feira, dezembro 23

11372º Dia

Dia 23 de Dezembro de 2011
09,00-12,00: despacho (centro, Boletins Itinerários, correio, etc.)
15,00-18,00: Rede Ester...um relatório em progresso
18,00-20,00: organizar “papéis”
II
ALMEIDA Benjamim: Angola. O Conflito na Frente Leste, Lisboa, Ed. Ancora, 2011.
Mais uma narrativa baseada na experiência da guerra. Esta é assinada pelo então capitão miliciano Benjamim Almeida. Aflora a sua experiencia pessoal no Exército Português, entre 1971 e 1975. Só por sí, já seria interessante.Como comandante da Companhia de Artilharia que,em finais de Abril de 1973, foi colocada em Cangumbe(também se grafava Cangumbi)- que conheci muito bem e de onde, um dia, iniciei uma longa marcha - no Leste de Angola, o capitão acrescenta dados novos ao «segredo de Cangumbe» ou seja à história da cooperação entre os madeireiros de Cangumbe, as forças armadas portuguesas («exército nacional» da Zona Militar Leste, enquanto liderado pelo «Asa Negra» )e a UNITA, uma cooperação que terminou em Janeiro de 1974. Benjamim Almeida, como comandante de Cangumbi foi o último mediador que, com o alferes Sabino (meu amigo de infância), da parte da UNITA,fizeram a ponte que aproximou os líderes guerrilheiros Jonas Malheiro Savimbi e Zau Puna da integração na «região autónoma» ou «Estado» de Angola (possibilidade aberta pela Revisão Constitucional de 1971). Benjamim Almeida foi também um dos signatários, pela parte portuguesa (com Passos Ramos, Pezarat Correia e Moreira Dias), do acordo de suspensão das acções armadas entre o exército português e a UNITA (14 Junho de 1974). O autor publica neste livro relatórios e outros documentos pessoais sobre o assunto que são do maior interesse. Para os interessados no tema, torna-se uma leitura indispensável.
HAF

11371º Dia

Dia 22 de Dezembro de 2011
I
09,30-11,00: Despacho CC ECS UE
11,00-12,00: Reunião com DP: analise e planeamento de nova oferta formativa (Angola)
15,00-20.00: arrumar “papéis”
II
ALMEIDA Benjamim: Angola. O Conflito na Frente Leste, Lisboa, Ed. Ancora, 2011.
HAF

11370º Dia

Dia 21 de Dezembro de 2011
I
09,30-17,30: ISCTE.IUL: Concurso documental para Professor Auxiliar de HMC (29 candidatos).
II
ALMEIDA Benjamim: Angola. O Conflito na Frente Leste, Lisboa, Ed. Ancora, 2011. O índice sugere tratar-se de um livro relvante. Comentá-lo-ei mais adiante.
HAF

11369º Dia

Dia 20 de Dezembro de 2011
I
09.30-17,00: ANTT/ PIDE-DGS (Comité Angola, Amsterdam) e Organização do trabalho (Tarefeiros)
II
CC Ferro de Benguela (ed.): Uma experiência de Colonização em Angola. Resultados dos 9º e 10º anos (1944-1945, 1945-1946), Lisboa, 1947;
CC Ferro de Benguela (ed.): Uma experiência de colonização em Angola, Relatório Final, Lisboa, 1953.
Os relatórios intermédio e final sobre o «Grupo Experimental de Colonização do Cuma» . Foram parcialmente usados por Cláudia Castelo [Passagens para África: o povoamento de Angola e Moçambique com naturais da metrópole (1920-1974), Porto, Edições Afrontamento, 2007, p. 98-106].
No primeiro dos relatórios referidos encontra-se um «desenho» com a «Localização dos núcleos de colonos nacionais e estrangeiros na zona de influência do Caminho de Ferro de Benguela» que aqui se inclui

Há pessoas que hoje dispõem de informação sobre a colonização de Angola nos anos 1930 que ajudaria a perceber como se «construiu» este mapa. Já vejo esse trabalho de pesquisa como investigação perdida, trabalho que alguém terá de levar a cabo.
HAF

11368º Dia

Dia 19 de Dezembro de 2011
09.30-17,00: ANTT/ PIDE-DGS (Comité Angola, Amsterdam)
17,00-20,00: Livraria Histórica Ultramarina
II
Vaclav Havel, o5.10.1936 Praga - 18. 12.2011 Hrádeček
HAF

domingo, dezembro 18

11367º Dia

Dia 18 de Dezembro de 2011
I
Às voltas com a PIDE……e as bases de dados.
II
De 18 para 19 de Dezembro de 1961 a União Indiana entrou em Goa com uma força de cerca de 40.000 homens . O antigo estado português da Índia integrou-se assim no recém formado estado indiano edificado por Gandhi e Neru.
Meses antes (18 de Agosto de 1961) o Governador-Geral, numa cerimónia em que foi homenageado pelos municípios do Estado da Índia como «cidadão honorário da India Portuguesa), perante as ameaças dos lideres indianos, declarou: «os inimigos de Portugal podem ter a certeza de que cumpriremos o nosso dever em tempo de paz ou em tempo de guerra» . O DN de 18 de Dezembro de 1961 apresentou assim a notícia:
HAF

11366º Dia

Dia 17 de Dezembro de 2011
I
Dia Branco
II
Dia em que S. Vicente se tornou , definitivamente , a ilha Cesária Évora (1941-2011)

HAF

11365º Dia

Dia 16 de Dezembro de 2011
I
09.30-12.30: Tutorias Mestrados
14,30-15,30: Seminário de Investigação em História
15,30-20.00: Apresentação de Memórias das Teses de Doutoramento
II
Eduardo Lourenço, Prémio Pessoa. Finalmente. Em 2011
III
33 anos.
HAF

11364º Dia

Dia 15 de Dezembro de 2011
09.00-12,00: Seminário MEHE (SP e SC)
15.00-18,30: Presidi com o maior prazer às Provas de Doutoramento de Nuno Miguel Silva Campos: Os Teles de Meneses: Uma linhagem entre Castela e Portugal na Baixa Idade Média (1161-1385)
II
Um “mundo” diferente
Há um mês atrás, Um incêndio destruiu uma parte substancial da infraestrutura da fábrica da Sicasal -- Indústria de Comércio e Carnes (Vila Franca do Rosário , Malveira). A administração da empresa decidiu não despedir ninguém e contar com todos os trabalhadores para recuperar a empresa. Da próxima vez que for ao supermercado lembrar-me-ei deste caso e serei solidário com estas boas práticas (excepcionais nos nossos meios empresariais)
HAF

quarta-feira, dezembro 14

11363º Dia

Dia 14 de Dezembro de 2011
Júris (UNL, ISCTE)
HAF

11362º Dia

Dia 13 de Dezembro de 2011
I
Memórias de Doutoramento
Seminário SP-SC-TSC 1850-2000 (preparação)
Sessão do CC ECS (16,30-18,45)
II
Francisco Teixeira da Mota: Henrique Galvão. Um herói português, Alfragide, Oficina do Livro, 2011. Um livro que tem elementos interessantes sobre o carácter e o trajecto desta figura originária do conservadorismo português que se converte a uma solução democrática e morre louco, num hospício brasileiro. Porque continuamos a desconhecer a versão integral do famoso «Relatório sobre o Trabalho dos Indígenas nas Colónias» (Janeiro de 1947) apreciado em sessão secreta da Comissão das Colónias da Assembleia Nacional?
HAF

11361º Dia

Dia 12 de Dezembro de 2011
I
08,30-12,30 MEHE- SP_SC-TSC-1850-2000 MEHE- SP_SC-TSC-1850-2000 (Preparação de Seminário); Biografia de Luís Fisher Berquó Poças Falcão, Presidente da Câmara dos Senhores Deputados (1899-1900); esquema para a base de dados nacional do projecto EHPS-NET
14,30-15,30: Sessão do CC UÉ... Um movimento “fusionista” de Universidades pode ser uma inevitabilidade: precisamos de ter uma estratégia para isso.15,30-16,30: Júri de Equivalências
16,30.....Sessão do CC UÉ, sem quórum. Convocatória para as 24 horas seguintes (CPA)
17,00: Continuação da reunião Júri de Equivalências
II
Francisco Teixeira da Mota: Henrique Galvão. Um herói português, Alfragide, Oficina do Livro, 2011
HAF

11360º Dia

Dia 11 de Dezembro de 2011
I
«Arrumar papéis»….....com os olhos numa imprensa que "especula" sobre projectos de fusão entre universidades.
II
Francisco Teixeira da Mota: Henrique Galvão. Um herói português, Alfragide, Oficina do Livro, 2011
HAF

11359º Dia

Dia 10 de Dezembro de 2011
I
Mercado de Lagos
Costa Alentejana, Ilha do Pessegueiro (Restaurante da Ilha)
II
Francisco Teixeira da Mota: Henrique Galvão. Um herói português, Alfragide, Oficina do Livro, 2011
HAF

11358º Dia

Dia 09 de Dezembro de 2011
I
Relatório de Actividades MICPRI.UE
Rede EHPS-NET
Memórias de Doutorandos
II
Francisco Teixeira da Mota: Henrique Galvão. Um herói português, Alfragide, Oficina do Livro, 2011
HAF

quinta-feira, dezembro 8

11357º Dia

Dia 08 de Dezembro de 2011
HAF

11356º Dia

Dia 07 de Dezembro de 2011
09,00-11,00: tutoria de mestrandos em tese
11,00-12,30: Despacho do CC ECS, Direcção dos Cursos de MEHE e Doutoramento em HC.
14.30-… uma sessão do CC ECS cancelada por falta de quórum. Sem comentários.
17,00-21,00: Seminário MEHE: apresentação de capítulos de teses por parte de mestrandos.
21,20-12,10: Até Burgau, envolto num contínuo manto de nevoeiro.
HAF

11355º Dia

Dia 06 de Dezembro de 2011
09,30-12,00: Preparação da longa sessão do CC ECS de 7 de Dezembro.
14,00-17,30: Documentação e pareceres: concursos para contratação de professores auxiliares (ISCTE e FCSH.UNL).
18,30-20,00: Apresentação do livro “Com Engenho e Arte. Ensino Técnico em Évora durante a I República: A Escola Industrial e Comercial Gabriel Pereira", de Fernando Luís Gameiro” (Sessão na Biblioteca da Escola Gabriel Pereira). Na Universidade e no Departamento de História não há regras na informação deste eventos culturais. As tontices….do costume.
HAF

11354º Dia

Dia 05 de Dezembro de 2011
09.00-12.00: Despacho do CC.ECS e do NICPRI.UÉ
13,30-19,30: Eduardo Lourenço e as suas Heterodoxias no NICPRI.UE. Um bom conversador, uma boa forma de eu regressar a Évora. Retalhos de uma experiência europeia e brasileira. A propósito de documentação do arquivo de Lúcio Lara, curiosidade à volta da fractura de um grupo de católicos com Salazar e os seus métodos de governação (1958-1959) .
As sequelas africanas ainda me limitam.
HAF

11353º Dia

Dia 04 de Dezembro de 2011
06.00….No aeroporto 4 de Fevereiro, um check in acelerado ….para um atraso expressivo no embarque. As lojas comerciais na área de embarque são despudoradamente caras. Um café e uma garrafa de água (0,33 l), custam cerca de 7 dólares; um livro, por descuido com o preço de mercado do país de origem (13,50 euros, Portugal) , a 62 dólares. Um regresso confortável num aeronave semi-vazia. Em Évora.....cerca das 21,00 horas.
HAF

11352º Dia

Dia 03 de Dezembro de 2011
I
08,00-10,00: fechar o dossier do seminário…
10,00-13,00: uma passeata pela cidade até ao Mercado 1º de Maio. Incluíu o café e o bolo de coco tunisinos.
Uma tarde a pasmar … há espera do BI, do SapoSapo, da Pitangueira e das Acácias. E o fechar da mala, na última noite de Luanda, com a baía luminosa vista de um sétimo andar da Rua da Missão-
II
Olhando para as pessoas desta cidade que no meu círculo entraram nos últimos meses, lembro-me de Churchill: «Quem se quer melhorar tem de se transformar e quem desejar alcançar a perfeição tem de se transformar mais vezes»
III
As notícias de Portugal - vista pela RTP Internacional - doentiamente centradas nos pescadores resgatados ao mar… dezenas de vezes as mesmas imagens dos «heróis de Caxinas», dos familiares e dos amigos . Um drama real , numa televisão patética.
IV
O caso da Europa. Não sou «europessimista». A solução é política: Mais integração, mais ambição, mais aspiração e mais responsabilidade efectiva (criação de mecanismos de penalização automática). Limitar de vez a possibilidade de tontaria por parte de algumas elites nacionais….
HAF

11351º Dia

Dia 02 de Dezembro de 2011
I
08.00…Um «mata-bicho» interessante com a Teresa Silva Neto, que por vezes acho que não me vê na pele que eu tenho, como vê sempre outros com pele similar. É uma sensação estranha mas é sincero o prazer destas conversas matinais «ocasionais».
09.00-14,00: Biblioteca Municipal Central do GP Luanda
18,00-20.00: Seminário HIE
II
As estadas em Angola….. tem um limite. A “terceira semana“ só não foi um excesso porque pela primeira vez foi possível incluir na agenda tempo de investigação e uma maior liberdade de acção exterior às instituições de acolhimento. Outros, sem esta autonomia, ficam nunca situação «stressante».
HAF

quinta-feira, dezembro 1

11350º Dia

Dia 01 de Dezembro de 2011
Angola: Arquivos Históricos Privados que são públicos e Arquivos Históricos Públicos que são privados… e os falsos historiadores
Hoje foi um dia muito instrutivo. Às 8,30 da manhã dirigi-me à Associação TCHIWEKA , uma instituição privada que tem a seu cargo o Arquivo e Biblioteca de Lúcio Lara: não houve qualquer obstáculo à consulta imediata de documentos que tinha solicitado aceder em mensagem do dia anterior e de outros requeridos no momento e tudo com um atendimento com a maior cortesia. Algo similar ao que tem acontecido diariamente na Biblioteca Central Municipal do Governo Provincial de Luanda.
O caso muda de figura quando se trata do Arquivo histórico Nacional. Uma instituição sem inventário de fundos disponível e com acesso reservado a um limitado grupo de pessoas que escrevem sobre a história de Angola. Um atendimento “burocrático” (quer saber se existe o periódico Diário Popular, Ed. aérea, dois nºs de 1957? Fácil. Escreva uma carta a pedir autorização para consultar). E este mecanismo de autorização prévia (que admite o não) é uma regra geral? Obviamente que não se aplica aos “historiadores” do grupo (nacionais e estrangeiros).

Não surpreende que a Historiografia académica realizada em Angola (admitindo que em rigor alguma exista) peque , em geral, por décadas de atraso (em termos de teoria e pragmática). Não surpreende também que, no 1º Colóquio Internacional da História do MPLA , previsto para 6 a 8 de Dezembro de 2011, entre os conferencistas escolhidos, não esteja incluído um único historiador profissional mas apenas “ilustres personalidades”, e que o acesso seja muito restrito (“apenas por convite” responderam a uma organização).
Isto tudo num só dia….mas outros virão que assim não será.
HAF

quarta-feira, novembro 30

11347 a 11349º Dia

Dias 28 a 30 de Novembro de 2011
I
09.00-14,00: Biblioteca Municiapl Central do GPL.
16,00-18,00: Tutoria de teses (dia 28)
18,00-21.00: Seminário HIE ( dias 28 e 30)
II
O drama do país é, afinal, simples. Portugal debate-se com um problema gravíssimo: o dos feriados a mais que geram pontes, etc, etc.. E por isso vão tirar quatro… e derrubar pontes… uns e outros serão um auxiliar precioso para mudarmos de rumo. É preciso alguma pachorra para aturar «esta tropa» sem imaginação.
HAF

11346º Dia

Dia 27 de Novembro de 2011
I
90.00-13,00: Preparação de sessão sobre integração regional transnacional africana
13,30-15,00: na Ilha do Multibocas
15.00-17,30: Ilha-Porto de Luanda-Sambizanga (avaria de carro no musseque junto ao antigo Roque Santeiro e hora a meio para transbordo com mobilização do pessoal da UMA e amigos. «Enfim, salvos»
19,00-24.00: Jantar com os Laras e uma longa conversa sobre o mundo de hoje e o mundo que «perdemos» ou de que nos «libertamos». Sempre um momento de muitos sabores.
II

Fizeram chegar a mim um número do Folha 8 ( edição de 26 de Novembro). Tinha curiosidade em ler um dos mais populares jornais de Luanda. Uma mediocridade completa, não tanto pela orientação editorial (um quase «pasquim» do género do que o Paulo Portas promoveu no Independente)- embora não aprecie este modelo de imprensa – mas porque não só é chocantemente mal escrito como esconde um discurso vigorosamente pleno de muitas fobias (raciais, sexuais, etc). Uma absoluta desilusão. Seja como for não concebo que os novos Bilhetes de Identidade dos Angolanos tenham impressa a «esfinge» do Presidente da República. É dificil de acreditar.
Todavia o melhor do Jornal é o anúncio de meia página, na contracapa: a «Corrente dos 70 apóstolos» da Igreja Universal do Reino de Deus....que , na «hora do milagre» (todas as terças feiras às 15 horas), trata de problemas físicos (dores de cabeça, doenças crónicas, eplepicia [sic], etc..) espirituais ( visão de vulto, audição de vozes, insónias, depressão, etc), financeiros (dívidas, desemprego, negócios amarrados, miséria), sentimentais (falta de sorte no amor, só aparace homem casado, etc..) e familiares (brigas constantes no lar, vícios na família, separação familiar, mortes constantes) . Já está na agenda.
HAF

11345º Dia

Dia 26 de Novembro de 2011
08.00-12.00: Organizar e “facilitar” a próxima semana
14,00-18.00: uma volta pela baixa da cidade agora com obras generalizadas
18.00-20.00: a «casa» entrou em «estágio»
20:15-24.00: o slb-SCP no Clube Náutico . No essencil o jogo foi SCP/Golodoslb/SCP.
HAF

sexta-feira, novembro 25

11340º-11344º Dia

Dia 21 a 25 de Novembro de 2011
I
09,00-13,00: Biblioteca Municipal Central do Governo Provincial de Luanda (DP edição aérea)
18,00-22,00: Sessão HIE ( dias 21, 22, 24)

II
As «Obras Completas de Eduardo Lourenço» . Sobre a edição do primeiro volume (Heterodoxias) deste grande projecto, acolhido pelo NICPRI.UÉ, que tem a a direcção científica de João Tiago Pedroso de Lima e Carlos Mendes de Sousa e o patrocínio da FCG, escreveu Vasco Graça Moura: “Antecipando um balanço de fim de ano, penso que este é o acontecimento cultural mais importante de 2011, tanto pela publicação do livro em si, como pelo que ele representa como primeiro momento de um programa editorial”(Jornal de Notícias, 16/11/2011). O JTPL tem boas razões para nos deixar orgulhosos.
III
CARDOSO, Dulce Maria: O Retorno, Lisboa, Tinta da China, 2011 (uma história plausível, uma arte de escrita «prazerosa», um guião para um F.F. Coppola)
MBAH, Jean Martial Arsene: As Rivalidades Políticas entre a Frente nacional de Libertação de Angola (FNLA) e o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) , Luanda, Mayamba, 2011 (umas primeiras páginas prometedoras deste historiador gabonês, praticamente parisiense e agora residente em Luana)
NETO, Teresa da Silva: História da Educação e Cultura de Angola. Grupos Nativos, Colonização e a Independência, Zainaeditores, 2010 (uma tese de doutoramento da UniCamp, 2005, agora em livro, ousada na reconstituição das práticas educativas entre os povos de Angola na era pre-colonial… o resto veremos)
SELLSTROM, Tor: A Suécia e as Lutas de Libertação Nacional em Angola, Moçambique e Cabo-Verde, Nordiska Afrikainstitute, Uppsala, 2008 ( um “resumo” em português de uma extensa obra que o autor e o Nordiska Afrikainstitute tem dedicado ao tema, com o propósito de acentuar o papel especial da Suécia no apoio, através de organizações políticas e comités de solidariedade (anos 1960s) e do governo (oficial, desde inícios dos anos 1970s), aos MLs da África Austral e Guiné e a razão porque, no caso de Angola, a escolha recaiu no MPLA.
HAF

segunda-feira, novembro 21

11339º Dia

Dia 20 de Novembro de 2011

HAF

sábado, novembro 19

11338º Dia

Dia 19 de Novembro de 2011
I
A volta do costume: H-Forum- Praça 1º Maio –Mercado do Parque da Independência-H-Forum. As acácias floridas
Os amigos , o regresso a uma ilha esventrada e em sobressalto, mas no Multibocas o melhor “muzonguê”
II
Luanda , metamorfoses de uma cidade (I)

HAF

11337º Dia

Dia 18 de Novembro de 2011
09,00-13,00: Biblioteca Municipal Central do Governo Provincial de Luanda (DP ee e BOA)
15,00-20,30: ISCED/ Tutoria de Teses de Mestrado em História de África e Angola
HAF

11336º Dia

Dia 17 de Novembro de 2011
11,00-13,00: ISCED/ Reunião.
15,00-20.30: ISCED/ Tutoria de Teses de Mestrado em História de África e Angola
HAF

11335º Dia

Dia 16 de Novembro de 2011
09,00-13,00: Biblioteca Municipal Central do Governo Provincial de Luanda (DP ee e BOA)
15,00-23,00: ISCED/Tutoria de Teses de Mestrado em História de África e Angola
HAF

terça-feira, novembro 15

11334º Dia

Dia 14 de Novembro de 2011
09,00-13,30: Biblioteca Municipal Central do Governo Provincial de Luanda: AMM no DP, edição especial ou ultramarina, 1957). Finalmente um centro de pesquisa organizado.

15,00-20.00: ISCED/ Tutoria de planos de mestrado em História de África e Angola
HAF

11333º Dia

Dia 14 de Novembro de 2011
10,00-20,00: ISCED, orientação de teses. O «clima» é o mesmo.
HAF

domingo, novembro 13

11332º Dia

Dia 13 de Novembro de 2011
Évora-Lisboa-Luanda: Hotel Forum
HAF

11331º Dia

Dia 12 de Novembro de 2011
I
Reunião com bolseiros
II
Onde não pude estar…

III
Organização da viagem para Luanda
IV
O Expresso…confirma a forte possibilidade de «fusão» entre a Universidade de Évora e a Universidade do Algarve. A coisa já corria há alguns dias. Não é má ideia, não senhor. É indispensável ver da plausibilidade de tal cenário e, confirmado, começar a desenhar soluções para o concretizar. Abre-se uma nova oportunidade para repensar seriamente o que fazemos, porque o fazemos e como o fazemos... São inevitáveis grandes mudanças para que a coisa resulte.
IV
A Ministra da Justiça foi ao Congresso dos Advogados fazer o que certamente já vimos muita gente fazer na vida: bater e fugir…. Sempre achei isso pouco digno.
HAF

sexta-feira, novembro 11

11330º Dia

Dia 11 de Novembro de 2011
I
Há 36 anos, as 6 da manhã, desembarquei em Lisboa, vindo de Windhoek com escala em Kinshasa. Passei a integrar a lista dos “retornados”.
II
Congresso República, Democracia, Globalizações (conclusão). Quase não tive tempo para participar as sessões.
09,00-11,00: Despacho do CC ECS. UE
11,00-12,30: Tutoria de teses de doutoramento e mestrado
15,00-17.00:
Prof. Christopher Saunders: South African Historiography (University of Cape Town, South Africa) (Seminar PhD Students) (NICPRI.UE)
HAF

quinta-feira, novembro 10

Dia 11329º

Dia 10 de Novembro de 2011
Congresso República, Democracia, Globalizações (cont.)
Revisão do Projecto sobre a História da África Austral (com C. Saunders)
II
Já se percebeu que à volta dos "users" da UÉ se instalou o caos...Sem comentários.
HAF

11328º Dia

Dia 09 de Novembro de 2011
HAF

11327º Dia

Dia 08 de Novembro de 2011
I
Preparação do paper c JTPL: “Can Colonialism be innocent? Alfredo Margarido and Luanda`s metaphysics. (1957)”.
Recepção de Chris Saunders
II
O UÉ e o centralismo.
A UÉ e a saga do encerramento dos users@uevora.pt, além de ser mais um exemplo de obreirismo [primeiro faz-se, depois pensa-se. E de preferência nãos e explica nada] , ilustra a propensão centralista que comanda a actual reitoria. Isto assim não vai correr bem.
HAF

11326º Dia

Dia 07 de Novembro de 2011
I
08,00-11,00: e ainda às voltas com o Margarido dos anos 1950s.
11,00-13,00: Reunião da mesa do CC ECS
15,00-18,30: Júri de tese de Doutoramento (Presidente)
II
Philippe Salson: Les Debats autour de la Guerre d`Algerie a travers Le Monde: D` une amnistie à une outre: 1968-1982, Université Michel de Montaigne, Bordeaux III, 2001
HAF

11325º Dia

Dia 06 de Novembro de 2011
I
08,30-12,00: Alfredo Margarido e os outros intelectuais ..
II
A reorganização do Forue…
A “revisão” do funcionamento do «espaço público» virtual da Universidade de Évora tem de ser melhor explicado, realçando as suas virtudes em relação ao modelo anterior, obviamente mais aberto. De outra forma…..
HAF

sábado, novembro 5

11324º Dia

Dia 05 de Novembro de 2011
10,30-20,00: Alfredo Margarido vs Alfredo Margarido
HAF

11323º Dia

Dia 04 de Novembro de 2011
08.00-09.30: Ainda o Colonialismo Inocente…
10.00-11.00: reunião com R.
11.00-13,00: Despacho CC ECS
15,00-16,30: Tutorias de doutorandos
17,00-19,30: HCTN-HE
II
Henrique Galvão (1950-1970): Aspects of a Euro-African Crusade (2009)
III
Uma parte do serão na Bela Vista/Katchiundo… onde cruzei com um meu aluno de 1974, agora médico e professor universitário…
HAF

11322º Dia

Dia 03 de Novembro de 2011
I
08,00-… às voltas com um «intelectual comunista» e o colonialismo inocente
16,00-17,00: despachos..
17,00-20.00: Sessão HCTN-HE
II
Hoje nos EUA é o 'NATIONAL MEN MAKE DINNER DAY' , isto é o Dia Nacional dos Homens Fazerem o Jantar
HAF

11321º Dia

Dia 02 de Novembro de 2011
I
08,00-20,o0: Alfredo Margarido….
11,30-12,30: Reunião VR
II
Há notícias que nunca deveríamos receber, nem com uma hora nem com uma vida de atraso. Hoje chegou uma delas. A Marieta de Morais Dá Mesquita , uma das docentes que esteve na fundação do Departamento de História da Universidade de Évora, actualmente Professora Auxiliar e coordenadora da Secção de História e Fenomenologia da Arquitectura e do Urbanismo da Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa, faleceu no passado dia 30 de Outubro. Da memória dela, ficam-me muitas coisas, incluindo a «anarquia conservadora» que a modelava.
III
A Europa não é imortal.
Foi o que saiu esta noite da cimeira de Cannes . Um dia histórico. A lição a tirar: não há União Europeia sem democracia.
IV
BC 2892. História da Unidade. Guiné 1969-1971
HAF

11320º Dia

Dia 01 de Novembro de 2011
Dia da Universidade. Não fui às cerimónias. Os responsáveis das instituições devem ter responsabilidade social e cumprir os seus compromissos financeiros com as pessoas que nela trabalham, especialmente se são pagas com fundos de outras instituições. Preferi passar o dia a trabalhar na Universidade.
HAF

segunda-feira, outubro 31

11319º Dia

Dia 31 de Outubro de 2011
I
08,00-15,00: Comunicação sobre os intelectuais...
11,00-12,00: despacho do CC ECS UÉ
15,30-17,00: Despacho NICPRI.UE e mais uma «pingalhice» para resolver.
17,30-20,00: Sessão HCTN-HE (MEHE)
II
BC 2892. História da Unidade. Guiné 1969-1971
HAF

11318º Dia

Dia 30 de Outubro de 2011
08,00-11,00: CES/elaboração de proposta de regimento dos CCPTI-PA
Tarde Branca
II
BC 2892. História da Unidade. Guiné 1969-1971
HAF

11317º Dia

Dia 29 de Outubro de 2011
09,00-13,00: Tutorias de teses de mestrado EHE
13.00-...: Tarde branca, em parte à caça de Henrique Galvão nos labirintos alfarrabistas.
HAF

11316º Dia

Dia 28 de Outubro de 2011
I
10,00-13,00: Tutorias dos doutorandos
15.00-17,00: Sessão de Doutoramento HC (DT II)
17,30-20,oo: Sessão do MEHE (DT)
II
BC 2892. História da Unidade. Guiné 1969-1971
HAF

11315º Dia

Dia 27 de Outubro de 2011
I
09.00-10,30: Concurso Professor Auxiliar (ISCTE)
10.30-14,00: Comunicação sobre os intelectuais portugueses e o colonialismo….
15,00-17.00: Correspondência
17,00-20.00: Sessão HCTNHE (MEHE)
O dia em que MB entregou a tese de doutoramento
II
BC 2892. História da Unidade. Guiné 1969-1971
HAF

11314º Dia

Dia 26 de Outubro de 2011
09,00-10.00: Documentação do CC ECS UE : elaboração proposta de regimento….
10,00-12,30: Reunião nos SACs
14-16,00. Despacho NICPRI.UE
16,30-19,00: CC NICPRI.UE
O Albert Camus «colonialista» ( 1930-60)
HAF

11313º Dia

Dia 25 de Outubro de 2011
08,00-20.00: Comunicação sobre intelectuais portugueses e o Colonialismo nos anos 1950s e leituras «coloniais»
11.00-12,00: Concurso Professor Auxiliar ISCTE
14,30-15,00: Despacho CC ECS UÉ
HAF

segunda-feira, outubro 24

11312º Dia

Dia 24 de Outubro de 2011
I
08.00-10.00: Concurso para Professor Auxiliar (ISCTE): 29 candidatos. Documentos para admissibilidade
10.00-11.30: Inscrição de alunos (SAC): verificações
11,30-12,30: Documentos do NICPRI.UE e despacho do CC ECS
14,30…….Despedida do Prof. Amran (Bangladesh)
14,30-16,30: Tutoria Mestrando (Angola): Luta de Libertação e Migrações forçadas
16,30-18,00: PCP, Alfredo Margarido , Eduardo Lourenço… e o Colonialismo.
II
Orçamento da FCT: evolução 2009-2012

Esta redução expressiva do orçamento da principal (entre muito poucas) instituição nacional que financia todos os sectores da investigação portuguesa é preocupante e vai deixar marcas. Uma preocupação que se junta à suscitada pelo smodo “peculiar” de funcionamento da FCT.
HAF

domingo, outubro 23

11311º Dia

Dia 23 de Outubro de 2011
I
Leitura de tese (MB): a elite do PRN
Regresso a textos de Alfredo Margarido
CC do NICPRI.UE
Tarde Branca
II
O Plano de actividades e o Orçamento da Universidade de Évora para 2012
Um caso bizarro. O CG primeiro aprova o orçamento, depois discute o plano de actividades ou uma lista de coisas a fazer !!!. O amadorismo institucional é confrangedor. Como se orçamenta sem saber o que se vai fazer? e mais, sem definir o que é realmente prioritário fazer ? É difícil perceber como proceder?
III
As encruzilhada das Duas Europas: ficar na Europa do Mercado , ou fazer o “regresso” à Europa da Cooperação ou caminhar para uma Europa de soberanias desiguais, eis a visão conservadora, da Srª Merkel e do putativo e fracassado líder dos conservadores europeus (Sarkozy) ou o avanço para a Europa Federal (a versão progressista)…cujo líder ainda não se vislumbra. Os próximos episódios podem ser decisivos.
IV
You’re the red ink” (Slavoj Žižek )

O SRC lembrou o discurso «The Elvis of cultural theory » (The Chronicle of Higher Education ) o filósofo académico marxista esloveno Slavoj Žižek , 62 anos, autor «The Sublime Object of Ideology«(1999), «First As Tragedy, Then As Farce (1009) , tudo «In Defense of Lost Causes» (2009), e um dos mais vigorosos críticos do capitalismo contemporâneo e do seu irracionalismo, quando no início do mês (9 de outubro) visitiu a Liberty Plaza para falar ao acampamento dos manifestantes do “Occupy Wall Street”. Aqui fica o texto no original .
“Don't fall in love with yourselves, with the nice time we are having here. Carnivals come cheap—the true test of their worth is what remains the day after, how our normal daily life will be changed. Fall in love with hard and patient work—we are the beginning, not the end. Our basic message is: the taboo is broken, we do not live in the best possible world, we are allowed and obliged even to think about alternatives. There is a long road ahead, and soon we will have to address the truly difficult questions—questions not about what we do not want, but about what we DO want. What social organization can replace the existing capitalism? What type of new leaders we need? The XXth century alternatives obviously did not work.
So do not blame people and their attitudes: the problem is not corruption or greed, the problem is the system that pushes you to be corrupt. The solution is not “Main street, not Wall street,” but to change the system where main street cannot function without Wall street. Beware not only of enemies, but also of false friends who pretend to support us, but are already working hard to dilute our protest. In the same way we get coffee without caffeine, beer without alcohol, ice-cream without fat, they will try to make us into a harmless moral protest. But the reason we are here is that we had enough of the world where to recycle your Coke cans, to give a couple of dollars for charity, or to buy Starbucks cappuccino where 1% goes for the Third World troubles is enough to make us feel good. After outsourcing work and torture, after the marriage agencies started to outsource even our dating, we see that for a long time we were allowing our political engagements also to be outsourced—we want them back.
They will tell us we are un-American. But when conservative fundamentalists tell you that America is a Christian nation, remember what Christianity is: the Holy Spirit, the free egalitarian community of believers united by love. We here are the Holy Spirit, while on Wall Street they are pagans worshipping false idols.
They will tell us we are violent, that our very language is violent: occupation, and so on. Yes we are violent, but only in the sense in which Mahathma Gandhi was violent. We are violent because we want to put a stop on the way things go—but what is this purely symbolic violence compared to the violence needed to sustain the smooth functioning of the global capitalist system?
We were called losers—but are the true losers not there on the Wall Street, and were they not bailed out by hundreds of billions of your money? You are called socialists—but in the US, there already is socialism for the rich. They will tell you that you don't respect private property—but the Wall Street speculations that led to the crash of 2008 erased more hard-earned private property than if we were to be destroying it here night and day—just think of thousands of homes foreclosed...
We are not Communists, if Communism means the system which deservedly collapsed in 1990—and remember that Communists who are still in power run today the most ruthless capitalism (in China). The success of Chinese Communist-run capitalism is an ominous sign that the marriage between capitalism and democracy is approaching a divorce. The only sense in which we are Communists is that we care for the commons—the commons of nature, of knowledge—which are threatened by the system.
They will tell you that you are dreaming, but the true dreamers are those who think that things can go on indefinitely they way they are, just with some cosmetic changes. We are not dreamers, we are the awakening from a dream which is turning into a nightmare. We are not destroying anything, we are merely witness how the system is gradually destroying itself. We all know the classic scene from cartoons: the cat reaches a precipice, but it goes on walking, ignoring the fact that there is no ground under its feet; it starts to fall only when it looks down and notices the abyss. What we are doing is just reminding those in power to look down...
So is the change really possible? Today, the possible and the impossible are distributed in a strange way. In the domains of personal freedoms and scientific technology, the impossible is becoming increasingly possible (or so we are told): “nothing is impossible,” we can enjoy sex in all its perverse versions; entire archives of music, films, and TV series are available for downloading; space travel is available to everyone (with the money...); we can enhance our physical and psychic abilities through interventions into the genome, right up to the techno-gnostic dream of achieving immortality by transforming our identity into a software program. On the other hand, in the domain of social and economic relations, we are bombarded all the time by a You cannot ... engage in collective political acts (which necessarily end in totalitarian terror), or cling to the old Welfare State (it makes you non-competitive and leads to economic crisis), or isolate yourself from the global market, and so on. When austerity measures are imposed, we are repeatedly told that this is simply what has to be done. Maybe, the time has come to turn around these coordinates of what is possible and what is impossible; maybe, we cannot become immortal, but we can have more solidarity and healthcare?
In mid-April 2011, the media reported that Chinese government has prohibited showing on TV and in theatres films which deal with time travel and alternate history, with the argument that such stories introduce frivolity into serious historical matters—even the fictional escape into alternate reality is considered too dangerous. We in the liberal West do not need such an explicit prohibition: ideology exerts enough material power to prevent alternate history narratives being taken with a minimum of seriousness. It is easy for us to imagine the end of the world—see numerous apocalyptic films -, but not end of capitalism.
In an old joke from the defunct German Democratic Republic, a German worker gets a job in Siberia; aware of how all mail will be read by censors, he tells his friends: “Let's establish a code: if a letter you will get from me is written in ordinary blue ink, it is true; if it is written in red ink, it is false.” After a month, his friends get the first letter written in blue ink: “Everything is wonderful here: stores are full, food is abundant, apartments are large and properly heated, movie theatres show films from the West, there are many beautiful girls ready for an affair—the only thing unavailable is red ink.” And is this not our situation till now? We have all the freedoms one wants—the only thing missing is the red ink: we feel free because we lack the very language to articulate our unfreedom. What this lack of red ink means is that, today, all the main terms we use to designate the present conflict—'war on terror,' "democracy and freedom,' 'human rights,' etc—are FALSE terms, mystifying our perception of the situation instead of allowing us to think it. You, here, you are giving to all of us red ink.”
(NY Observer; pode ler tradução brasileira em Boitempoeditorial.wordpress.com)
HAF

11310º Dia

Dia 22 de Outubro de 2011
09,00-13,00: Correspondência académica e documentos do CC ECS
16,00-20.00: A «metafísica» de Alfredo Margarido
HAF

sábado, outubro 22

11309º Dia

Dia 21 de Outubro de 2011
I
09.00-10.30: CC ECS UE : planeamento e formação de agenda para a próxima sessão
10.30-13,00: Tutoria de Teses de Doutoramentos (uma a acabar e a outra acabará um dia !!!!)
15,00-18,00: Sessões de abertura e planeamento do MEHE
II
A crise em notas soltas….
Na Universidade a administração é errática, em algumas coisas sem pingo de competência, e não se percebe o que se pretende ver/fazer para além da gestão merceeira da “depressão” que a todos tolhe.
[…]
O Governo, segundo alguns constitucionalistas e o Presidente da República, perante a crise “financeira-económica “ou “económica-financeira” ou a “urgência nacional”, age com mão livre sobre os princípios constituições de equidade fiscal. Ou seja, age contra os valores constitucionais, a «magna carta» que compromete todos os cidadãos, que agora são tratados de forma ostensivamente desigual ( no direito pão, saúde e educação).O Governo deixou de ser o governo de todos os portugueses. e governa à margem da lei e das «instituições» legais. Ora, todas as organizações que assim actuam são organizações «terroristas», no sentido lato. Quando do Estado se trata, contra o uso desta “violência” que alguns pensam ser “legitima”, os cidadãos tem o dever de se indignar e mesmo de passar à clandestinidade, neste caso, fiscal.
Nestas alturas, que à generalidade dos cidadãos se pretende pedir o que eles não podem, não percebem, não querem e/ou acham que não devem dar, apela-se ao já recorrente truque dos valores patrióticos e da responsabilidade e solidariedade colectivas. O nosso Século XX foi generoso em proporcionar ao país (e a outros) momentos deste tipo. Neste país quando as coisas correm bem, correm muito melhor para uns (uma minoria) do que para a maioria, e por isso nunca foi erradicada a pobreza, deixando nesse limiar pelo menos 20% da população. Muitas e boas justificações políticas foram dadas para isso. Basta darmo-nos ao trabalho de revisitar a retórica politica de todo o século XX, para vermos que o foco é colocado no suposto mérito ou desempenho individual (os ganhadores). Isso foi assim na Ditadura como na Democracia. Mas quando a onda muda no país, e/ou nas instituições do país, a responsabilidade passa a ser de todos (além das forças externas hostis…como o “Mercado”) . O país passa então a ser apresentado como uma grande unidade colectiva de produção onde somos todos iguais e solidários nas responsabilidades, mas não na distribuição dos sacrifícios. Ora esta retórica é compreensível nas ditaduras mas não é aceitável em Democracia. A Democracia exige políticos (e actores sociais) com responsabilidade política e social superiores à do cidadão comum. Ora isso foi uma coisa que rareou nas últimas duas décadas.
[...]
Não vou por isso escrever, como hoje li num jornal, nenhuma carta aos meus filhos «sobre estes dias que correm” penitenciando-me por ter trabalhado desde os 17 anos; por as nossas famílias (a minha e a da minha mulher) terem perdido os bens e rendimentos que com esforço acumularam em Angola, mercê da descolonização que foi como foi; por ter feito uma carreira universitária sujeitando-me a sucessivos momentos de avaliação (1980, 1984, 1993, 2003, 2006) para poder nela permanecer, por ter demorado quase 20 anos a alcançar uma “posição” estável (nomeação definitiva) com base numa avaliação do desempenho; por trabalhar regularmente muito mais do que as 8 horas de trabalho diário; por pagarmos compulsivamente (desconto mensal á cabeça) todos os impostos directos que foram aplicados aos nossos rendimentos; e por, com esforço, sem mordomias, com frugalidade, termos proporcionado aos nossos filhos uma vida decente; e por ter proporcionado educação superior aos meus filhos sem nunca eles terem beneficiado de uma isenção de propinas ou bolsa de estudos (como era e ainda é normal em muitos países da Europa. Dito isto, não contribuí para que o futuro dos meus filhos seja um pesado de dívidas se ficarem neste país. A verdade, é que não vejo razão nenhuma para eles o fazerem.
III
A notícia do dia foi o linchamento de Khadafi e as «mentiras» politicas à volta disso. Lá se foi o ditador que os velhos amigos europeus ( e ocidentais), durante décadas alimentaram e enriqueceram e nos últimos meses decidiram abandonar. Já tínhamos visto um filme similar no Iraque e no Afeganistão. A única coisa que parece não mudar naquela região do globo é o colonialismo interno em Israel.
HAF

11308º Dia

Dia 20 de Outubro de 2011
I
09.00-20.00: RDC ESTER Program. O Último dia de uma excelente experiência a que os doutorandos e tutores portugueses,sem surpresa,são insensíveis. E cultivando ainda uma tradição académica «portuguesa» muito especial acham-se os maiores. O mais importante: os professores de outras universidades europeias que participaram neste seminário fizeram questão de frizar a surpreendente qualidade académica do conjunto largado de professores do Departamento de História que como tal colaboraram no curso intensivo
10,30-12.00: Tutoria de um interessante plano de doutoramento sobre as mudanças a longo prazo na Zâmbia (1870-1970) (Iva Pesa)
II
Começou hoje o “COLLOQUE INTERNATIONAL-20 et 21 octobre 2011 Eduardo Lourenço et la Passion de l’Humain

Lá estará a representar-nos o JTPL
HAF

11307º Dia

Dia 19 de Outubro de 2011

II
Chegou hoje o Helder Pedro…. e o «grupo doméstico» cresceu.
HAF

terça-feira, outubro 18

11306º Dia

Dia 18 de Outubro de 2011
NICPRI.UE- Research Design Course ( ESTER Program) (18-20/10-2011)

HAF

11305º Dia

Dia 17 de Outubro de 2011
Despacho do CC ECS UÉ
Comunicação ao seminário “INTERESSES ECONÓMICOS E MOVIMENTOS DE PROTESTO POLÍTICO DA MONARQUIA À REPÚBLICA” (UNL, 19-10-2011)
Recepção dos participantes do RDC / ESTER Program.
HAF

domingo, outubro 16

11304º Dia

Dia 16 de Outubro de 2011
I
Um dia dedicado à "European Graduate School for Training in Economic and Social Historical Research" (ESTER) e ao seminário intensivo (Research Design Course) que decorrerá na próxima semana na UÉ.
II
Mas estive também em muitos outras ruas e praças do mundo....

HAF

11303º Dia

Dia 15 de Outubro de 2011
I
09,30-13,30: tutoria , 3 teses de mestrado
16,00-20,00: Leitura de Iva Peša (PhDLeiden University): Moving along the roadside –A social history of Mwinilunga District, 1870-1970’ (ESTER Seminar paper . Comments)
II
Conheceu-se hoje o «ranking» das escolas do ensino são superior. Há um sinal claro: a escola pública recuou em qualidade (ver Público). É a política , estúpido.
III
O « dia da Indignação» mas também o «day of action»
Ontem, o movimento «OcuppyWallStreet» procurou mobilizar os americanos para uma grande manifestação de rua , hoje em muitas cidades dos EUA . O folheto mobilizador :
Over the last 30 years, the 1% have created a global economic system - neoliberalism - that attacks our human rights and destroys our environment. Neoliberalism is worldwide - it is the reason you no longer have a job, it is the reason you cannot afford healthcare, education, food, your mortgage.
Neoliberalism is your future stolen.
Neoliberalism is everywhere, gutting labor standards, living wages, social contracts, and environmental protections. It is "a great vampire squid wrapped around the face of humanity, relentlessly jamming its blood funnel into anything that smells like money." It is a system that ravages the global south and creates global financial crisis - crisis in Spain, in Greece, in the United States. It is a system built on greed and thrives on destablizing shocks.
It allows the 1% to enrich themselves by impoverishing humanity.
This has to stop!
We must usher in an era of democratic and economic justice.
We must change, we must evolve.
On October 15th the world will rise up as one and say, "We have had enough! We are a new beginning, a global fight on on all fronts that will usher in an era of shared prosperity, respect, mutual aid, and dignity."
O texto faz uma referência a «Spain» : para muitos americanos Portugal é uma parte da Espanha… Acho que no essencial a mensagem é substantiva. Mas , no caso português, é indispensável acrescentar a nossa indignação contra a classe política do PS, do PSD e do CDS (Presidentes da República, deputados, lideres partidários, membros e chefes de governo, etc, etc.) - em suma OS GRANDES BATOTEIROS - que nos governaram nos últimos 10 anos. São indígnos da primeira geração de políticos do Portugal democrático, e muitos deles são simplesmente uns «crooks».Encheram os bolsos,os seus, o dos seus partidos e os de um punhado de «homens de negócios» de traço bandoleiro, garantindo generosas probendas (reformas) vitalícias para a «elite sistémica», e agora tem a lata de esfolar as classes médias e,impunemente,empobrecer os pobres. O meu desprezo por essa gente é absoluto e definitivo.
Assim estava a «República» em 1924-1925. Leiam-se os vergonhosos “debates parlamentares“ da época. Depois foi o que se viu. E como a História pode repertir-se.... o país social está permeável a tudo.
HAF

11302º Dia

Dia 14 de Outubro de 2011
I
08.30-12.00: Leitura de Tese de MB: Elites e Organizações Políticas na Primeira República Portuguesa. O Caso do Partido Republicano Nacionalista (1923-1935). Os últimos capítulos.
14.00-16.00: Tutoria da tese supra. Finalmente a última reunião.
16.00-18.00: Seminário HCTNHE (MEHE)
18,00-20,30: Seminário HCTN-DT (MEHE)
II
A UÉ está a realizar uma nova acreditação em massa dos cursos de 1º e 2º ciclo. E tal ousadia, mais uma vez mal medida e estudada, obriga-me a evocar os "Abused Majesty" com o seu Gods Are With Us: "Gods are with us - Thor gave us power - Odin the might - We're offered him blood as a sacrifice"
HAF

11301º Dia

Dia 13 de Outubro de 2011
Regresso ao “gym”.
Leitura de Tese de MB: Elites e Organizações Políticas na Primeira República Portuguesa. O Caso do Partido Republicano Nacionalista (1923-1935). Os últimos capítulos.
Seminários/Conferências do NICPRI.UÉ
Amran Hossain: Discrepancies between the theories and the practice of democracy in Bangladesh: An analytical explanation [Prof. Associado de Ciência Política, University of Dhaka, Bangladesh; Professor visitante no NICPRI.UÉ através do Programa EMMA West). Hoje, às 17 horas.
HAF

11300º Dia

Dia 12 de Outubro de 2011
Leitura de Tese de MB: Elites e Organizações Políticas na Primeira República Portuguesa. O Caso do Partido Republicano Nacionalista (1923-1935). Os últimos capítulos
Leitura de Iva Peša (PhDLeiden University): Moving along the roadside –A social history of Mwinilunga District, 1870-1970’ (ESTER Seminar paper . Comments)
Despacho CC ECS UE
Owen Jones: Chavs. De demonization of The Working Class
HAF

terça-feira, outubro 11

11299º Dia

Dia 11 de Outubro de 2011
Leitura de Iva Peša (PhD Leiden University): "Moving along the roadside. A social history of Mwinilunga District, 1870-1970 (Zambia)’ (ESTER Seminar paper: Comments)
Despacho ACTAE-NICPRI.UE
HAF

11298º Dia

Dia 10 de Outubro de 2011
Leitura de Tese de MB: Elites e Organizações Políticas na Primeira República Portuguesa. O Caso do Partido Republicano Nacionalista (1923-1935). Os últimos capítulos
Leitura de Tese MBF: Descolonização e Repatriamento Europeus. A História dos “Retornados”. O caso do Distrito de Évora (1975-1976) (versão definitiva)
Despacho do CC ECS UÉ
HAF

domingo, outubro 9

11297º Dia

Dia 09 de Outubro de 2011
I
Burgau.... num outubro de verão.

II
Angola….Economia e Univeversidade no Expresso
No caderno de Ecomomia que integrou o Expresso de ontem, duas crónicas (p.47) focalizadas em Angola. A de João Duque, que, na comparação entre duas visitas a Luanda (2007 vs 2011), captura um país de «criadores» que «começa devagar, mas de modo seguro, a apostar na diversificação de produtos» de substituição das importações (“fui a Angola para dar uma lição . Vim de lá com uma lição maior”).
A segunda crónica é a de Manuel Ennes Ferreira, « O longo caminho da Universidade de Angola», na qual o autor testemunha uma semana de actividade universitária nos meios académicos luandenses, onde parece destacarem-se três universidades: a Universidade Agostinho Neto, a Universidade Lusíada de Angola e a Universidade Católica Portuguesa. Serão exemplos únicos? Ou apenas as que, a convite, pode conhecer ?
HAF

sábado, outubro 8

11296º Dia

Dia 08 de Outubro de 2011
I
09.00-1330: Tutoria (3 teses de mestrado)
II
Burgau…. na companhia de Owen Jones [CHAVS. The demonization of the working class, London, Verso, 2011], que finalmente chegou. Se não os conhecem…. Descubram-nos, ao termo, ao autor e a obra deste jovem historiador de olhos infantis. Foi o que comecei a fazer.
HAF

11295º Dia

Dia 07 de Outubro de 2011
I
Despacho CC ECS UE
Leitura de tese de Doutoramento
Plano de aulas do MEHE
II
Provas de Agregação PEG, com arguição de Lição. Tudo acabou bem. E mais não digo , a não ser que houve mérito.
III
The Nobel Peace Prize for 2011[Three Activist Women]

“The Norwegian Nobel Committee has decided that the Nobel Peace Prize for 2011 is to be divided in three equal parts between Ellen Johnson Sirleaf [Liberian President] , Leymah Gbowee and Tawakkul Karman for their non-violent struggle for the safety of women and for women’s rights to full participation in peace-building work. We cannot achieve democracy and lasting peace in the world unless women obtain the same opportunities as men to influence developments at all levels of society. In October 2000, the UN Security Council adopted Resolution 1325. The resolution for the first time made violence against women in armed conflict an international security issue. It underlined the need for women to become participants on an equal footing with men in peace processes and in peace work in general . Ellen Johnson Sirleaf is Africa’s first democratically elected female president [in modern Africa] . Since her inauguration in 2006, she has contributed to securing peace in Liberia, to promoting economic and social development, and to strengthening the position of women. Leymah Gbowee mobilized and organized women across ethnic and religious dividing lines to bring an end to the long war in Liberia, and to ensure women’s participation in elections. She has since worked to enhance the influence of women in West Africa during and after war. In the most trying circumstances, both before and during the “Arab spring”, Tawakkul Karman has played a leading part in the struggle for women’s rights and for democracy and peace in Yemen.
It is the Norwegian Nobel Committee’s hope that the prize to Ellen Johnson Sirleaf, Leymah Gbowee and Tawakkul Karman will help to bring an end to the suppression of women that still occurs in many countries, and to realise the great potential for democracy and peace that women can represent.
Oslo, October 7, 2011
Thorbjorn Jagland
( Former Norwegian prime minister who heads the Oslo-based Nobel committee)
(Source NYT, October 7, 2011)
HAF

11294º Dia

Dia 06 de Outubro de 2011
I
08.00-12.00: Preparação de discussão em provas de agregação
15-00-17.00: Provas de Agregação PEG
II
Winston S. Churchill: Memórias da Minha Juventude, Ed. Século, s.d. (1941 ?) (ed. orig. “My Early Life”), 1930….. recomendo vivamente, incluindo a candidatos a escritores / historiadores ou a filo-matemáticos
HAF

quarta-feira, outubro 5

11293º Dia

Dia 05 de Outubro de 2011
I
08.00-20.00: Preparação de discussão em provas de agregação
II
Praxes..... com edifício fechado !!!!!!!II
III
A universidade de Évora cobre apenas 59% das vagas (vagas sobrantes de 1ª fase mais recolocações) que apresentou em 2ª fase de colocação do Ensino Superior. O assunto merecerá uma apreciação mais fina.
IV
A República em Lisboa esteve com a Praça meio vazia ou meio cheia?
HAF

11292º Dia

Dia 04 de Outubro de 2011
I
08,00-13.00: CC ECS EU: Leitura de processos de 1º Ciclo para nova acreditação e do novo regulamento dos mestrados
14,30-17.00: Sessão de CC ECS: “sessão “informal” por falta do essencial (o quórum)
18,00-20.00: Leitura de Lição de provas de agregação
II
Winston S. Churchill: Memórias da Minha Juventude, Ed. Século, s.d. (1941 ?) (ed. orig. “My Early Life”, 1930
HAF

11291º Dia

Dia 03 de Outubro de 2011
I
08.00-11.00: Despacho do CC ECS UÉ e novo regulamento dos mestrados (leitura)
11,30-22.00: Leitura de documentos de Provas de Agregação (PEG): Lição
Leitura da tese sobre o PRN
II
Winston S. Churchill: Memórias da Minha Juventude, Ed. Século, s.d. (1941 ?) (ed. orig. “My Early Life”, 1930
Filomena Barata: Folhas Soltas . O meu testemunho (ed. electrónica)
HAF

domingo, outubro 2

11290º Dia

02 de Outubro de 2011
I
Leitura de Tese de MB: Elites e Organizações Políticas na Primeira República Portuguesa. O Caso do Partido Republicano Nacionalista (1923-1935). Os últimos capítulos
II
Winston S. Churchill: Memórias da Minha Juventude, Ed. Século, s.d. (1941 ?) (ed. orig. “My Early Life”, 1930
HAF

11289º Dia

Dia 01 de Outubro de 2011
No “National Glamour Day” deixo Amsterdam. Mas sei que voltarei. Num passeio madrugador alguns olhares sobre a cidade na zona entre a Leidseplain e Koningsplein.

E agrada-me a absoluta invisibilidade de um «grande» aeroporto.
HAF

sexta-feira, setembro 30

11288º Dia

Dia 30 de Setembro de 2011
I
7.30 (8.30, aqui). Aguardo a abertura da Biblioteca do IISG. Dou uma vista pelos jornais do extremo ocidente da Europa. Um autarca corrupto finalmente (provisoriamente?) na cadeia e um Leão à Solta.
09.00-16.00: nos arquivos do IISH : “Portugal, various manuscripts (1945) (Docs de exílio de E.S); “Oliveira, Lígia de (1931-1992)”, interessado na correspondência dos anos 1950; e a inda a documentação do Comité de Angola, dos primeiros anos.
13.00-14.00 e 16.00-17.00: balanço do projecto da plataforma da Populaçao Europeia e e passos a dar (KM)
II
Quando se está mais distante percebe-se melhor o dia a dia da nossa instituição e a ausência de uma cultura institucional. Exemplo disso são as mensagens “institucionais” entre o diverso corpo docente (“os colegas”) que são, frequentemente de grande informalidade quando não roçam o “carroceirismo” . A este tipo de mensagens deixarei de responder. Depois admiram-se do tom das mensagens do Presidente da AE.
III
No jornal “De Crisis Voorbij “ pode ler-se no verso do poster central: "it´s not the brick which scares the state but our willingness to throw it" [não é o tijolo que assusta o Estado mas a nossa vontade de o atirar]. A frente do referido poste é esta:

HAF

quinta-feira, setembro 29

11287º Dia

Dia 29 de Setembro de 2011
I
08,30-17,00: ARCHIEF ANGOLA COMITE-KOMITEE ZUIDELIJK AFRIKA 1961-1997: O arquivo do que começou por ser o Comité Angola e tornou-se depois no Comité da África Austral. Um grupo que congregou pessoas de grande destaque na vida social holandesa. Cf. os anos 1961 e 1962 . O mundo dos historiadores é assim imprevisível. E como escreveu em tempos uma historiadora francesa: em Angola até o passado é imprevisível. Espero amanhã ainda dar uma espreitada a alguns fundos sobre o Portugal « do Salazar». Felizmente é ainda muito o caminho que falta percorrer na Historia Social Portuguesa e Europeia do Século XX.

II
O primeiro filme (documentário) sobre a Guerra Colonial Portuguesa?
Na correspondência do Comité Angola de Amsterdão, encontramos referências em novembro de 1961, a um “American documentary film about Angola” que o Comité “ should like to presente[ this film] in several cities in The Netherlands. (….)”. Trata-se provavelmente de «Angola- a Journey to war» produzido para uma série de prestígio da NBC [NBC White Paper], e realizado pelo cineasta Robert Young tendo como «cameraman» Charles Dorkins, que penetraram e percorreram ao lado dos guerrilheiros da UPA o norte de Angola. Existirá alguma cópia desse documentário em Portugal? Deve tratar-se do primeiro documentário «independente» sobre a Guerra Colonial portuguesa.
III
Numa das principais ruas comerciais desta cidade, atrai-se a clientela assim:

Gostei da ideia, que pode não ser superficial
HAF

quarta-feira, setembro 28

11286º Dia

Dia 28 de Setembro de 2011
09.00-12,30: EUROPEAN HISTORICAL POPULATION SAMPLES NETWORK (K.M.)
14.00-15,30: Profissões Históricas Portuguesas, o HISCO , “occupational titles” e o « Work Information System» (MvL). E ainda conversas em torno de um novo projecto de História Social numa associação IISG-NICPRI.UE. Ficam as siglas: SAM
15,30-17,00: Cf. Archief Angola Comité. Correspondência de 1961-65. No IISG há uma outra cultura na forma como se lida com a documentação histórica: conservação organizada, acesso com regras mas liberal, incluindo reprodução fotográfica. Já nõ vinha cá há 8 ou 9 anos. A “distância” aumentou na forma como se organiza e modela aqui a produção historiográfica. Mais do que descrever a “diferença” de patamar, tomo-a como uma das referências. A Holanda investe todos os anos 1 milhão de euros só nas bases de dados históricas da população.

II
A Greve dos Professores Franceses
Em França, uma greve inédita. Ontem, os professores do ensino privado e público juntaram-se numa extensa greve. Os primeiros não o faziam desde 1984, quando o PSF tentou transformar em públicas as escolas privadas. Agora foram mobilizados pela brutal redução dos postos de trabalho e a degradação «da escola» . Nesta greve estiveram envolvidos todos os sindicatos do ensino público e privado. A tradicional guerra dos números não esconde o vigor do protesto que contou com a contribuição dos professores das instituições católicas (Le Monde)
HAF

HAF

terça-feira, setembro 27

11285º Dia

Dia 27 de Setembro de 2011
I
08.00-16,00: IISG - ARCHIEF ANGOLA COMITÉ- KOMITEE ZUIDELIJK AFRIKA e uma grande caminhada
17.00-20.00: Despacho do CC ECS (reconhecimento de habilitações) e correspondência .
II

III
O Hotel disponibiliza, todos os dias pela manhã, num escaparate colocado junto ao salão do PA, o Good Morning News, «a dail newspaper with national and news in brief from France, German, Spain Italy, United Kingdom, United States, Japan, China, Russia and Brazil/Portugal” . Trata-se de um «jornal» constituido por folhetos individuais (uma página para cada país). No de hoje apenas tivemos Good Morning (News) para a França, o UK e a Espanha. Os folhetos tem todos a mesma organização e são na respectiva língua nacional: uma coluna de 1/3 de meia página para os principais títulos de um Jornal de Referência do pais , como Le Monde e El Mundo; os restantes 2/3 da meia página preenchidos com noticias políticas nacionais; na meia página inferior, duas colunas «La France en Bref», «España en Breve» etc…, e a outra metade da meia página com novidades desportivas.
HAF

11284º Dia

26 de Setembro de 2011
05.50-12.30: Lisboa-Amesterdão … Theatre District Hotel
17.30- 21.00: reunião (e jantar) com Kees Mandlemakers. Incluíu a “EUROPEAN HISTORICAL POPULATION SAMPLES NETWORK” e o "início" de um novo projecto (Estudantes do Ensino Superior na Europa (Sécs 19-20))
HAF

11283º Dia

25 de Setembro de 2011
Évora…..Amesterdão … um avião perdido, um dia branco involuntário.
HAF

sábado, setembro 24

11282º Dia

Dia 24 de Setembro de 2011
09.00-13.30: Tutoria 9 teses de mestrado (EHE)
Tarde branca
HAF

11281º Dia

Dia 23 de Setembro de 2011
I
09.00-13.00: CCECS.UE. Audição directores de curso 1º Ciclo
14,30-16.30: Leitura de documentos de teses
16,30-19,30: CCECS.UE: preparação da sessão de 26/09. Com contratempos surpreendentes: há gente com muitas responsabilidades na instituição que não percebe que os órgãos devem cumprir cabalmente as suas competências. Em matérias que fazem parte dessa dimensão não podemos vacilar.
II
NYT: Palestinians Request U.N. Status; Powers Press for Talks

“I do not believe anyone with a shred of conscience can reject our application for full admission in the United Nations […] the realization of the inalienable national rights of the Palestinian people. (…). The time has come.” (Mr. Abbas, today, GA United Nations )
III
Eduardo Lourenço: Situação Africana e Consciência Nacional, 1º ed., Lisboa, Génese, 1976
HAF

11280º Dia

Dia 22 de Setembro de 2011
I
No dia da mudança de Gabinete do CC ECs
08.00-12.00: Projecto EHPS-NET
14,30: Despacho do CC ECS
16.00: Reunião com aluna : preparação de trabalho de investigação sobre a descolonização de Cabo Verde
17.00: Sessão da Mesa do CC ECS
II
Aristides Maria Pereira (n.17 de Novembro de 1923 , antigo rádio-telegrafista (Guiné-Bissau, co-fundador do PAIGC e primeiro Presidente da República de Cabo Verde , morreu hoje. Em 2002 publicou “Guiné-Bissau e Cabo Verde: Uma Luta, Um Partido, Dois Países”.
III
Eduardo Lourenço: Situação Africana e Consciência Nacional, 1º ed., Lisboa, Génese, 1976
HAF

11279º Dia

Dia 21 de Setembro de 2011
I
08,00-12,30: O HISClass e as Profissões Históricas Portuguesas
14,30-17,30: Audição aos Directores de Curso do 1º Ciclo da ECS
II
Júlio Resende (1917-2011).
III
Winston S. Churchill: Memórias da Minha Juventude, Ed. Século, s.d. (1941 ?) (ed. orig. “My Early Life”, 1930
HAF

11278º Dia

Dia 2o de Setembro de 2011
I
09.00-13.00: Projecto EHPS-NET
14,30-19,00: Mesa do CC ECS UÉ (processos de revisão da oferta formativa, 1º ciclo)
II
Em dias como este….
Winston S. Churchill: Memórias da Minha Juventude, Ed. Século, s.d. (1941 ?) (ed. orig. “My Early Life”, 1930
HAF

segunda-feira, setembro 19

11277º Dia

Dia 19 de Setembro de 2011
I
08,00-10,30: O HISClass, as Profissões Históricas Portuguesas, ea classificação social dos retornados (1975-76) e da população do distrito de Évora em 1970
11,00-12,00: Reunião de Júri de provas de doutoramento (História Medieval). Lá tive de ouvir, mais uma vez, “recados” sobre vogais nomeados sem concordância prévia.
14,30-18,00: Projecto EHPS-NET (EUROPEAN HISTORICAL POPULATION SAMPLES NETWORK) . Preparação da visita a Amsterdam.
II
Ainda as Colocações na Universidade de Évora – Cursos Universitários : Dados Revistos

O leitor pode entreter-se a analisar e a comparar os resultados. Eles apenas contentam a oferta e a procura do 1º ano dos cursos universitários de 1º ciclo, excluídos por isso as instituições e/ou cursos politécnicos ( que em alguns casos integram universidades). No caso da Universidade de Évora ficou de fora o Curso de Enfermagem , como 60 vagas , todas preenchidas.
Os meus comentários ficaram, no essencial , ontem ditos. E no essencial, naquilo que é a sua matriz, a Universidade de Évora integra o grupo das que se vai aumentando a sua distância da média nacional. É claro que a Universidade do Algarve deve estar em estado de alerta máximo.
III
Eduardo Lourenço: Situação Africana e Consciência Nacional, 1º ed., Lisboa, Génese, 1976 . No rosto escreve-se: “estas reflexões fazem parte de um ensaio escrito entre 1961 e 1963, e conservado inédito por motivos óbvios, dedicado ao problema do colonialismo português” )
HAF

domingo, setembro 18

11276º Dia

Dia 18 de Setembro de 2011
I
Uma manhã às voltas com AAM e o HISClass e a Classificação das PHP e uma «tarde branca»
II
O Dia das Colocações
Universidades como a de Évora vivem as primeiras semanas de Setembro com o credo na boca. Como vão correr as colocações da primeira fase dos alunos que ingressam no ensino superior? Haverá procura suficiente? Os cursos, as escolas, a Universidade vão preencher a maior parte das vagas ?
Estas angústias e a dos candidatos ficam hoje resolvidas. As instituições já sabem quantos estudantes foram colocados e estes já sabem se e onde foram colocados. Numa nota do ministério lê-se: “Nesta (1ª) fase foram colocados 42243 alunos no ensino superior público. O número de vagas fixadas pelas instituições de ensino superior para o concurso nacional de 2011 foi de 53500. Apresentaram‐se a concurso 46899 candidatos. Das candidaturas válidas, 91% ficaram colocados nesta 1.ª fase. 58% dos colocados foram‐no na sua 1.ª opção. 87% foram colocados numa das suas três primeiras opções. 26321 (62%) dos candidatos foram colocados no ensino superior público universitário e 15922 (38%) no ensino superior público politécnico.” Segundo a agência Lusa “a preferência dos alunos parece ter-se concentrado nas áreas de Ciências Sociais, Comércio e Direito” (mais de 12 000 colocações).
A fase de crescimento numérico de novas entradas (ingressos) – estimulado pela “crise”, pelas mudanças a montante (ensino secundário) e pelo marketing universitário - que a Universidade de Évora começou a acompanhar apenas desde 2009 – parece estar a esgotar-se: Menos 3000 alunos colocados no ensino superior que no ano passado» (Titulo do Público)
Mesmo sem acesso a todos os dados em formato electrónico e apenas com base nas listas do Público, obtemos resultados que permitem apreciações gerais sobre as colocações na Universidade de Évora (ver quadro) , comparando-as com as do ano anterior .

Ora, não há como esconder… Na 1ª fase de colocações houve uma quebra expressiva na taxa de ocupação de vagas de cursos universitários oferecidos pela UÉ: este ano entraram (807) quase menos 100 alunos que no ano transacto (902) , embora se tenham oferecido mais cursos e um maior número de vagas. A quebra da taxa de cobertura de vagas na 1º fase – apenas foram preenchidas 76% das vagas - afectou todas as escolas “universitárias” da instituição mas teve uma incidência mais acentuada nas Escolas de Artes e de Ciências Sociais, no que parece contrariar o panorama geral.
Este ano, a Escola de Ciências Sociais não chegou a preencher ¾ (72,5%) das vagas oferecidas. É claro que há variações expressivas de curso para curso, que aqui ainda não considerarei. Também já recebi reacções sectoriais de grande euforia, não sei se prudentes. Dos detalhes, que é indispensável analisar no contexto adequado, há todavia dois dados que me parecem particularmente relevantes: os cursos oferecidos em regime pós-laboral não estão a ser bem sucedidos (não seria preferível ampliar a oferta de vagas nos mesmos cursos em regime diurno?); o colapso das «Ciências da Educação» , uma facto circunstancial ou uma mudança com maior profundidade?
Vamos ao mais importante. Sendo uma das últimas a beneficiar da fase do crescimento numérico de entradas que teve inicio em meados da década anterior (2004), ao primeiro sinal de mudança de ciclo(se é ou não veremos), a Universidade de Évora é uma das primeiras a perder. Isto, sobretudo, mostra como esta instituição, para viver saudavelmente a longo prazo, não pode limitar ou mesmo centrar as suas expectativas no mercado interno (regional e nacional). Para vencer esta limitação objectiva há algumas ideias e capacidade e vontade para as concretizar. A alternativa é continuarmos com o «credo na boca», manter o recorrente discurso do inultrapassável défice demográfico regional e (não) contar com a generosidade da mesa do orçamento. Ora, nos tempos que correm e que ai virão, por longos anos, isto não é nem será maneira de viver. Temos por isso poucos anos para fazer muitas coisas de uma forma diferente àquela que estamos a fazer.
III
A Semana da Palestina
No próximo dia 23 a Assembleia Geral da ONU votará a criação do Estado da Palestina? Este será sem dúvida, o facto da semana, qualquer que seja a solução: “estado membro com adesão plena” ? “estado observador não membro»?... Veremos como se comportam os representantes europeus e estado-unidense.
HAF

sábado, setembro 17

11275º Dia

Dia 17 de Setembro de 2011
I
HISCO, HISCLASS E Classificação das Profissões Históricas Portuguesas
II
Alfredo Margarido: “As Classes Sociais em «O Segredo da Morta» “, DP, 3-5-79 (uma cortesia de um amigo de Lisboa) . E ainda sobre AM, e como reacção a um texto por ele publicado num jornal nacional em 1957, chegou-me, através do JTPL e por através de um amigo de Coimbra, o extracto de um jornal angolano da época, com uma reacção não assinada e com o título “ Colono que foi «colonizado» deu aos leitores do «Diário de Noticias» uma versão errada de Luanda » (CA, Nov. 1957)
Sobre “O Segredo da Morta” (1934, 1935 ou 1936 ?) do nativista angolano António de Assis Júnior escreveu-se recentemente : “O Segredo da Morta constitui, o que confirmam os estudiosos das Literaturas Africanas, um marco no panorama literário desse país. Escrito num período de quase não literatura (1910 – 1940), o romance de Assis Júnior inaugura na ficção um olhar diverso do da literatura dita colonialista, que vigorava até então “ (cf. CALZOLARI, Teresa Paula Alves (UFRJ):”O Segredo da Morta. Um Roman-Feuilleton Angolano”, Actas da VI Jornada Nacional de Filologia, UERJ, 2008
III
João Falcato: Angola do meu coração, ENP, 1961
Winston S. Churchill: Memórias da Minha Juventude, Ed. Século, s.d. (1941 ?) (ed. orig. “My Early Life”, 1930
IV
Ainda a situação …. do país. O título principal da capa do expresso: Ministério das Policias é o único sem cortes no OE”. A receita é sempre a mesma. Corta-se na educação, no pão e na saúde, mas asseguram-se as condições para dar porrada ao povo que se atrever mostrar a sua indignação. Ainda vamos comprara a Angola os carros especiais de combate urbano que vendemos a Angola. Mas se calhar não lhes convêm vender.
V

Recebi hoje , religiosamente, de Luanda, e no seu formato electrónico, a edição do “ Novo Jornal"de 16 de Setembro (nº 191). Além de um Dossier dedicado à expulsão de dois jornalistas moçambicanos que se deslocaram a Luanda para participar num curso de formação; da divulgação, via Wikileaks, de uma conversa de um dirigente da UNITA (Abel Chivucuvucu) com o embaixador americano em Luanda [“Ou me candidato pela Unita ou lanço as bases para um novo partido”, 2010]; de um artigo interessante sobre Agostinho Neto ("Agostinho Neto, um cultor da Realpolitik"); de um caderno dedicado à Miss Universo (Angolana de Benguela)...., o tema central do jornal é, sem dúvida, os protestos sociais ocorridos em Luanda desde 3 de setembro e o julgamento dos contestatários. O tratamento do assunto inclui a opinião do meu amigo Georges Chicoty, Ministro das Relações Exteriores (que esta semana esteve também em destaque pela assinatura do acordo entre Portugal e Angola sobre a questão dos passaportes); as declarações do “primeiro secretário de Luanda do MPLA, Bento Bento, [que] pediu ontem, em Luanda, aos Comités de Acção do MPLA (CAP,s) a nível de todos os municípios, para controlarem “milimetricamente” todos os passos da oposição, especialmente os da UNITA.»; e, já na secção da Sociedade, destaca-se o julgamento e condenação dos jovens "rebeldes": « A leitura da sentença dos 21 jovens (estudantes) acusados de agredirem agentes da Polícia Nacional, durante uma manifestação de protesto contra o governo, atraiu muitas pessoas junto à Direcção Nacional de Viação e Trânsito (DNVT), nas imediações do Serpa Pinto.» Entre os réus estíveram Dionísio Gonçalves Casimiro “Carbono”, Francisco Jamba “ Kassaluka”, Afonso Matias, Bernardo António Pascoal e Alexandre Dias dos Santos, todos condenados a três meses de prisão e pagamento de elevada multa, despesa e indemnização (cada um, 130.000 quanzas, isto é cerca de 1300 euros); os restantes foram quase todos condenados a 45 dias de prisão efectiva (apenas duas penas suspensas e três absolvições), e o colectivo de Juízes não aceitou nem provas apresentadas pela defesa nem a aução para manter os jovens em liberdade enquanto corre o recurso da sentença. Os advogados de defesa dos manifestantes, David Mendes e William Tonet prometeram levar o caso à Comissão Africana dos Direitos Humanos.
Ainda sobre o mesmo tema o jornal tem uma coluna assinada por Adebayo Vunge ( "Tensão e agitação em Luanda – quem ganha com isso?") que abre assim: “Nos últimos dias, a situação em Luanda tem estado algo tensa. Mas nada que se compare ao retrato que tem sido pintado pela infeliz imprensa portuguesa, que não consegue disfarçar o preconceito e o ódio. (…)” - uma tese que me parece peregrina -, e o autor segue desancando no “grupo de jovens que se dizem estudantes universitários revolucionários. Claramente, um movimento juvenil com um forte cariz político.” (esta não apanhei !!!). Na coluna ao lado, “Conversa na Mulemba”, Fernando Pacheco escreve: “ Uma mudança de regime não é o melhor para Angola neste momento, e muito menos se for tentada por via “revolucionária”, que poderia gerar uma situação incontrolável, que, estou seguro, não é desejada pela esmagadora maioria dos angolanos.
Significa isto que não estou de acordo com manifestações que visem a mudança de regime, embora reconheça aos que as fazem o seu direito de fazê-las, também não posso aceitar políticas e práticas por parte do Executivo que acabam por favorecer este tipo de manifestações, e muito menos com práticas que evidenciam desrespeito pela lei e por princípios que devem ser preservados para que as instituições se tornem respeitadas.(…) O partido no poder e o Executivo têm responsabilidades acrescidas nesta situação. Em primeiro lugar, porque deve reconhecer que a injustiça social, a arrogância, a exclusão – de cidadãos-povo e de potenciais parceiros sociais –, as promessas eleitorais não cumpridas, os níveis de pobreza e, sobretudo, a falta de combate à corrupção, são condimentos fortes para a insatisfação social. Depois, porque a comunicação social pública tem cada vez menos credibilidade, deturpando factos, ocultando informações, manipulando a opinião pública.» João de Melo regressa ao assunto ( A Manifestção de 3 de Setembro (II) ) e, ainda em artigo de opinião, o director-adjunto do jornal (Gustavo Costa:“A sucessão e a minha geração…) dá uma pista interessante:“A minha geração pensa que gerir bem é satisfazer em 90% os interesses de quem a coloca à mesa do orçamento e em 10% os interesses dos governados...”
Tudo isto à volta de um “pequeno” mas relevante episódio que não se percebe numa Angola em fase de construção democrática e de integração nacional. Dois comentários finais. Contrariamente à chamada imprensa oficial de Angola ( Jornal de Angola, etc.) , o Novo Jornal deu o relevo (político e social) indispensável ao episódio da contestação de 3 de Setembro, e todos os campos e actores em presença tiveram oportunidade de apresentar os seus pontos de vista. Uma segunda nota para expressar a minha perplexidade perante uma interrogação de Georges Chicoty: “Temos um país com vários grupos étnicos, com várias Sensibilidades políticas e se cada um for para a rua e pegar em alguma coisa? “. Não vislumbro qual o alcance político. Afinal que fazer ? O silêncio, a acomodação ou a mudança?
HAF

11274º Dia

Dia 16 de Setembro de 2011
I
08.00-16.00: HISCO, HISCLASS E Classificação das Profissões Históricas Portuguesas
16,00-17,00: Reunião com mestrandos
17.00-18.00: Documentação do CC ECS
18,00-20,00: Robert Strausz Hupé and Harry W. Hazard (eds) : The Idea of Colonialism, Ed. Frederick A. Praeger, NY, 1958
II
Na ECS da UÉ a novidade é “O retrato” . “No comments”.
III
João Falcato: Angola do meu coração, ENP, 1961
Winston S. Churchill: Memórias da Minha Juventude, Ed. Século, s.d. (1941 ?) (ed. orig. “My Early Life”, 1930)
IV
Professores do Ensino Básico e Secundário….contratados ao mês. Uma autêntica e insuportável canalhice ultra-liberal
V

A História de Alberto João Jardim é como se fundadamente se suspeitava há muito a história não apenas de um “músico” e “trapaceiro” , mas de um autêntico político bandoleiro. Criou, com os seus amigalhaços, uma dívida e défice acumulados que devem ultrapassar os 10.000 milhões de euro, a governar um espaço ocupado por 267938 habitantes e 35.000 funcionários públicos ( i. é, 131 funcionários por cada mil habitantes) quando o país no seu conjunto (40 vezes mais o nº de habitantes) tem uma dívida pública de 150.000 milhões de euros e 68 funcionários por cada 1000 habitantes (737774 funcionários públicos para uma população de 10.715.956 indivíduos) . É claro que “apanhado”…. este político modelo do “País da Batota” vai começar a disparar contra os homens do avental, as tríades, os castristas, os continentais, a “esquerda”, os jornalistas, o governo central….. e até sobre o Coelho candidato. E afinal, o que todos esperamos é que sobre ele (não só sobre ele , é verdade) seja emitido um mandato de captura.
Um “País da Batota” é sempre empolgante. Ainda no Público de ontem, sobre um senhor muito “in”, filantropo, etc…. e tal, , e com o cabeçalho «CGD com um “buraco” de 300 milhões em créditos a Joe Berardo” pude ler: «O empresário Joe Berardo deve, actualmente, 360 milhões de euros à Caixa Geral de Depósitos , relativos a empréstimos contraídos para comprar acções do BCP. Mas as garantias que apresentou valem apenas 60 milhões de euros”. Mais uma vez foi essa malta da «troika» que deu com a marosca. Razão tinha o Salazar e a Ditadura Militar para não quererem cá a «troika» da Sociedade das Nações em 1928….
HAF

quinta-feira, setembro 15

11273º Dia

Dia 15 de Setembro de 2011
I
08.00-13,00: AAM
14.30-16,00: ADE- Diário Popular
16.00-17.00: Parecer conjunto sobre proposta revisão 1º Ciclo História
17.00-19.00: Despacho CC ECS EU
II
João Falcato: Angola do meu coração, ENP, 1961
Winston S. Schurchill: Memórias da Minha Juventude, Ed. Século, s.d. (1941 ?) (ed. orig. “My Early Life”, 1930)
HAF

11272º Dia

Dia 14 de Setembro de 2011
I
08.00-12.00: Retornados e HISCLASS
15.00-16.00. Tutoria de mestrado EHE
16.00-18.00: Reunião da Mesa do CC ECS UE
18,00-20.00: Correspondência académica: júris, orientandos, cursos, etc…
II
No aeroporto do Huambo (Angola), em acidente de aviação militar, entre outras (numerosas) vítimas, dois "velhos" conbatentes sobreviventes da Guerra Civil perderam a vida.
HAF

11271º Dia

Dia 13 Setembro de 2011
I
08,30-11,00: CC ECS UE
11,00-13,00: NICPRI.UE
14,30:16,00: BPE
16.00-18.00: Reunião da Mesa do CC UE
II
AM Margarido/ Processos da PIDE.
HAF

11270º Dia

Dia 12 de Setembro de 2011
I
Dia dedicado aos «milagres da medicina». E tive de faltar a um CDH.
II
Projecto Mobilidade Social em Belo Horizonte

III
Decorreu hoje em Luanda
Jean Martial MBAH: As Rivalidades Políticas entre o MPLA e a FNLA: 1961-1975. Ensaio de História Politica . Nova edição.
Trata-se da versão portuguesa da tese de doutoramento (Paris I) do gabonês Jean Martial Mbah

HAF

domingo, setembro 11

11269º Dia

Dia 11 de Setembro de 2011
I
Leitura de documentos da NGWIZAKO, MLEC, ALIAZO e RCCKP (AOS)
II
Hoje estou com o AM, que está por Buenos Aires. Ontem comemos o bolo em Santa Rita.
III

11-09-2001/ 11-10-2011: A Era da Suspeita (Le Monde), a Década do Terrorismo [the global "war on terror”] ou a 'hard decade of war" e também “Una década neoyorquina”. Será, mas foi também uma década de retrogresso nas liberdades civis, na liberdade de circulação e na qualidade de vida que começou com a “Queda do Muro” de Nova York. Estamos hoje sob maior influência dos fanáticos da segurança e dos partidários do «choque das civilizações», e estamos mais pobres e mais vulneráveis.
Apresentam-se aqui algumas “imagens” evocativas que hoje podemos encontrar na imprensa internacional. Mas se andarmos por algumas partes do mundo, o assunto colheu pouca ou nenhuma atenção [ver site “World Newspapers by Country”]
Por cá, destaca-se o “especial de 25 páginas” do Público que reserva toda a primeira página para “ A Década do 11 de Setembro”
III
O “Jornal de Angola” na edições de hoje refere-se ao 11/o9/2001, evoca a invasão sul africana (1981), mas omite os informação sobre os recentes protestos na cidade de Luanda. Não percebo a razão destes silêncios desnecessários.
HAF

sábado, setembro 10

11268º Dia

Dia 10 de Setembro de 2011
I
Ainda às voltas com a contestação à avaliação do projecto apresentado à FCT
Leitura de Documentação sobre a NGWIZAKO (Associação dos Congoleses de expressão portuguesa)(1959-1964)
II
O “Mundo da Pesca”. A « Revista preferida dos pescadores portugueses» publica-se há treze anos . Assino-a há dez anos…. Já recebi o nº 127 (Setembro 2011). Na capa destaca-se , nos «iscos» o título «Batata: o novo isco sensação para mar!». Nem mais.
III
A imprensa oficial de Angola praticamente silenciou os novos protestos públicos (e sequente repressão policial, em “cumprimento da lei”) associados ao início do julgamento dos 21 manifestastes presos no passado dia 3 (e 4?) de Setembro. Ontem terão sido detidos entre 24 a 50 contestatários.
IV
PF 2 -SCP 3
“O campeonato começa hoje” (Elias, SCP)
HAF

11267º Dia

Dia 9 de Setembro de 2011
I
Sessão de Abertura do I Curso Internacional de Verão: A Emergência da Lusofonia num Mundo Plural
O Boletim Oficial de Angola….
Resposta ao Painel da FCT em relação à avaliação do projecto: History of Transnational Regionalism in Southern Africa: From Liberation Movements to Southern African Development Community (SADC) : Angola and Mozambique experiences. A boa noticia: o interesse “africano” pelo projecto (UCT) e a ampliação da equipe de investigação
II
A Universidade de Évora e a Internacionalização. Agora é que é !!!!. Os dirigentes da instituição, com muita relutância e por isso com um atraso substancial, parece que agora entendem essencial internacionalizar a ÚE e em particular reforçar a sua cooperação e integração (que estava a debilitar-se mais do que já era) no espaço do ensino superior em criação na área da CPLP. Já se perderam algumas e boas oportunidades.
Agora não basta partir à aventura da cooperação, nem esperar que nos próximos meses nos afoguemos na generosidade de uma “árvore de patacas” brasileira e/ou angolana que não existe, de todo. É necessário ter uma estratégia e um plano de acção bem definidos, investir continuadamente na cooperação e esperar resultados académicos nos próximos anos. E tais estratégia e plano não existem.
Além disso aquele “espaço” é apenas um dos vectores da internacionalização que só é sustentável com dois outro vectores, o da “internacionalização” europeia e o da internacionalização interna. Este desenho, que ainda há 18 meses, foi visto como uma miragem radical, é fundamental para dar sustentabilidade a uma solução baseada na "internacionalização" como elemento vital para a Universidade de Évora.
Por isso, o que vamos provavelmente continuar a fazer, é navegação à vista. Este amadorismo e voluntarismo só podem ser motivo de grandes preocupações. É por não sabermos à partida o que queremos que muitas vezes deitamos fora oportunidades ou nos tornamos baratas tontas. Há estudos muito consistentes sobre a matéria, incluindo para o caso português. Os decisores (pelo menos alguns) deveriam conhecer e ter em conta estes estudos. Que não se proceda como no caso da apressada “reforma da oferta formativa”: primeiro fazer à pressaa e depois pensar.
HAF